Últimas Notícias > CAD1 > Inter anuncia renovação com zagueiro Bruno Fuchs até 2023

88% dos vinhos consumidos no Brasil são importados. O Chile é dono de 48% do mercado, seguido por Portugal (15%), Argentina (13%) e Itália (9%)

“Não há pré-requisito ou conhecimento básico para fazer o curso, apenas a vontade de aprender”, afirma o presidente da ABS-RS, Orestes de Andrade Jr. (Fotos: divulgação)

“Nosso compromisso é fortalecer a cadeia produtiva da uva, do vinho, espumantes, sucos e derivados, que movimenta cerca de R$ 9 bilhões por ano no Brasil. Apesar de ter vinhos premiados pela qualidade, de cada 10 garrafas de vinhos finos vendidos no país, nove são importadas”, alerta o Coordenador da Frente Parlamentar em Defesa da Uva e do Vinho, o deputado federal Afonso Hamm.

Para o vice-presidente do Ibravin (Instituto Brasileiro do Vinho), Márcio Ferrari, para que as empresas nacionais possam investir em inovação e desenvolvimento é necessário a redução da carga tributária. Os vitivinicultores reivindicam também a ampliação do apoio financeiro para o seguro rural, a modernização da Lei do Vinho e a exclusão dos produtos vitivinícolas do regime de substituição tributária *(ST) do ICMS. (*Substituição para trás: apenas a última pessoa que participa da cadeia de circulação da mercadoria é que paga o tributo, de maneira integral, inclusive relativamente às operações anteriormente praticadas e/ou seus resultados).

O presidente da ABS-RS (Associação Brasileira de Sommeliers do Rio Grande do Sul), Orestes de Andrade Jr., reafirma a necessidade da desoneração e cita números preocupantes: 88% dos vinhos consumidos no Brasil são importados. O Chile é dono de 48% do mercado, seguido por Portugal (15%), Argentina (13%) e Itália (9%). “Há uma concentração grande no mercado, pois 85% dos vinhos importados consumidos no país são de apenas quatro países”, diz Orestes Jr, que sugere maior investimento em marketing e na formação de profissionais e consumidores. “Em quatro anos, tivemos mais de 400 alunos em oito turmas de sommeliers da ABS-RS, que vieram de 12 estados diferentes. Temos um ativo importante, a experiência nas vinícolas, que atrai consumidores de dentro e fora do país”. O presidente da ABS-RS observa que “o maior projeto social que um governo pode fazer é facilitar e incentivar o empreendedorismo”.

O secretário de Agricultura Familiar e Cooperativismo do Ministério da Agricultura, Fernando Schwanke, participou do evento de retomada das atividades da Frente Parlamentar, na quarta (24), em Brasília. Ele reafirmou o apoio do Ministério às demandas “dessa cadeia produtiva tão importante para a economia do País”, definiu.

Conferência

A líder do governo do presidente Jair Bolsonaro na Câmara Federal, deputada Joice Hasselmann, estará em Bento Gonçalves neste sábado (27), para participar da Conferência em apoio à Zona Franca da Uva e do Vinho. A criação da Zona Franca  foi proposta em projeto de lei de autoria do deputado federal João Derly, desarquivado pelo deputado federal Jerônimo Goergen e pede a isenção de impostos na venda de vinhos, no varejo, em 23 cidades da Serra Gaúcha: Bento Gonçalves, Garibaldi, Monte Belo do Sul, Antônio Prado, Boa Vista do Sul, Carlos Barbosa, Caxias do Sul, Coronel Pilar, Cotiporã, Farroupilha, Flores da Cunha, Guaporé, Ipê, Nova Pádua, Nova Prata, Nova Roma do Sul, Pinto Bandeira, Salvador do Sul, Santa Tereza, São Marcos, São Valentim do Sul, Veranópolis e Vila Flores.

A Conferência em apoio à Zona Franca da Uva e do Vinho acontece neste sábado, a partir das 12 horas, no Spa do Vinho e vai reunir autoridades e entidades ligadas ao setor. A coordenação é da prefeitura de Bento Gonçalves, em parceria com o Ibravin, Federasul,Centro de Indústria, Comércio e Serviços de Bento Gonçalves e o Sindicato Empresarial de Gastronomia e Hotelaria da Região da Uva e do Vinho.