Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Governo estuda tirar Ancine da gestão do Fundo Setorial do Audiovisual

A agência de classificação de risco Moody’s espera a reforma da Previdência neste ano, mas com economia de até 800 bilhões de reais

Não é pra queimar nada, maquinário, trator, seja o que for, não é esse procedimento, não é essa a nossa orientação”, diz o presidente. (Foto: Marcos Corrêa/PR)

A agência de classificação de risco Moody’s espera que a reforma da Previdência seja aprovada ainda em 2019, mas a economia gerada com as novas regras para aposentadoria deve ficar entre R$ 600 e R$ 800 bilhões.

O projeto apresentado pelo governo Jair Bolsonaro (PSL) prevê corte de R$ 1,1 trilhão em dez anos.

Para a agência, a aprovação traz desafios porque o governo não tem maioria no Congresso, que é diluído em muitos partidos.

“Na nossa avaliação, o governo terá que negociar com os parlamentares para conseguir um número suficiente de votos entre os indecisos. Isso provavelmente terá o custo de diluição de elementos da proposta ou de concessões em outras áreas”, escreveu a Moody’s.

Apesar de ter cedido ao se reunir com líderes dos principais partidos, Bolsonaro ainda tem relação estremecida com o Congresso.

Segundo a Moody’s, a reforma permitirá que o governo cumpra o teto de gastos neste ano, mas em 2020 e nos anos seguintes, a regra que impõe limite de aumento de despesas dependerá de novos ajustes.

A empresa também afirmou que espera que a reforma fiscal avance após a aprovação da Previdência, destacando que isso favoreceria o ambiente de negócios no País.

Para a Moody’s, as privatizações prometidas pelo governo também estão sob risco político porque dependem de aprovação do Congresso.

“Até agora, a posição do presidente Bolsonaro sobre privatizações é confusa”, diz a Moody’s. Ele cita a necessidade de mais concessões enquanto também defende a revisão da necessidade de outras privatizações, como a Eletrobras, vista como de interesse nacional e que, portanto, não deveria ser vendida.

Ainda de acordo com a Moody’s, a redução da participação dos bancos públicos no mercado de crédito deve impulsionar o mercado de capitais brasileiro.

Além disso, o fim dos subsídios de taxas de juros em empréstimos como os do BNDES deve melhorar o resultado da política monetária definida pelo Banco Central.

Pela agência, a nota de risco do Brasil é Ba2, dois degraus abaixo do grau de investimento.

Pesquisa

A reforma da Previdência proposta pelo governo Bolsonaro é rejeitada por 51% dos brasileiros e aprovada por 41%. Se dizem indiferentes 2% e 7% não sabem como se posicionar. Os dados são da pesquisa Datafolha divulgada nesta quarta-feira (10) pelo jornal Folha de S. Paulo.

As mulheres são mais resistentes à (56% de rejeição). Já entre homens, 48% se dizem a favor e 45% contra, um empate técnico (a margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou menos).

Entre os que elegeram o presidente Jair Bolsonaro (PSL), 55% são a favor da reforma e 36% contrários. Já entre quem votou em Fernando Haddad (PT) ou branco ou nulo, 72% se dizem contra a mudança nas regras.

 

Deixe seu comentário: