Últimas Notícias > Notícias > Política > Rede de academias já conta oito clientes presos na Operação Lava-Jato

A Caixa Econômica Federal deve fechar a torneira do crédito para as grandes empresas

(Foto: Agência Brasil)

A Caixa Econômica Federal deve fechar a torneira do crédito para grandes empresas, direcionar recursos para a habitação e estimular o mercado de capitais com a venda de ações e debêntures. Com mecanismos próprios, a ideia é levantar ao menos R$ 150 bilhões em quatro anos para destinar a novos financiamentos imobiliários.

Desse total, pelo menos R$ 100 bilhões virão da venda de carteira de crédito, e outros R$ 50 bilhões, da abertura de capital de quatro subsidiárias.

A estratégia, definida a executivos da estatal pelo presidente do banco, Pedro Guimarães, significa uma reviravolta na política da instituição, que, até o momento, se comportou como as demais estatais, ou seja, dependente de recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e do Tesouro Nacional para fazer negócios.

De acordo com o Banco Central, a Caixa concentra 67% dos empréstimos em grandes empresas, situação que se repete no Banco do Brasil e no BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). “Quem vai para o mercado internacional buscar dinheiro não precisa ir lá na Caixa”, declarou Guimarães em seu discurso de posse.

Com pouca margem de manobra para ampliar o volume de crédito por causa das exigências internacionais mais rigorosas de segurança nos empréstimos, a Caixa do presidente Jair Bolsonaro devolverá R$ 40 bilhões ao Tesouro. Ao mesmo tempo, o banco implementará um plano severo para fazer dinheiro.

Abertura de capital

Pelo menos quatro braços do banco, cujo capital é predominantemente da União, terão participações relevantes vendidas em Bolsa: seguros, aposentadorias privadas, loterias e gestora de investimentos. A expectativa de Guimarães é que essas operações movimentem o mercado de capitais. Segundo ele, hoje somente 700 mil brasileiros investem em ações, o equivalente a 0,35% da população.

A estimativa é que, com a abertura de capital das subsidiárias da Caixa, será possível fazer com que pelo menos 5 milhões de pessoas comprem papéis dessas empresas. Em outra frente, Guimarães pretende vender a carteira imobiliária para terceiros, uma prática conhecida no mercado como securitização e que, até o momento, só encontrou barreiras nas administrações passadas.

O banco quer colocar no mercado recebíveis imobiliários, que têm mais liquidez. São receitas de financiamentos em curso. No entanto, incluem contratos do Minha Casa, Minha Vida, que têm elevado nível de inadimplência.

Outro impulso para o mercado virá do FI-FGTS, o fundo bilionário com recursos do trabalhador que investe em infraestrutura. Alvo da Operação Lava-Jato, que investigou operações envolvendo projetos com grandes empresas, o fundo só deverá liberar recursos para companhias de médio e pequeno portes com ações negociadas na Bolsa de Valores.

A ideia é modificar as regras para que, em vez de reaplicar os lucros decorrentes dos investimentos, o FI-FGTS possa destinar os recursos não usados para financiamentos habitacionais – algo como R$ 2 bilhões por ano. A Caixa também deverá atuar na emissão de debêntures de infraestrutura, papéis que o governo quer estimular para o financiamento de projetos dessa natureza.

Para isso, haverá uma reformulação para que pessoas jurídicas (como fundos de investimento) também possam aplicar em debêntures. Hoje, as regras do setor restringem esse investimento para pessoas físicas. Com a medida, haverá espaço nos bancos públicos para levar crédito a lugares em que hoje há escassez, principalmente no Norte e no Nordeste.

A Caixa quer ser um banco para pessoas de baixa renda ao oferecer microcrédito nessas regiões. A meta é, em quatro anos, conceder 30 milhões de empréstimos com juros inferiores a 2%. Extraoficialmente, executivos da estatal dizem que as metas são muito ambiciosas e de difícil execução. Abrir mão de grandes clientes seria como dar um cavalo-de-pau nos rumos da instituição.