Últimas Notícias > CAD1 > Com dúvidas e treino fechado, Grêmio encerra preparação para encarar o Athlético

A Câmara dos Deputados aprovou regras mais brandas para a aposentadoria de professores

Regras mais brandas de aposentadoria valem para professores que já estão na ativa. (Foto: Reprodução)

Na votação da proposta de reforma da Previdência, a Câmara aprovou, por 465 votos a 25, regras mais brandas de aposentadoria para professores que já estão na ativa. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

O texto-base da reforma da Previdência foi aprovado na noite de quarta-feira (10) por 379 votos a 131, mas a votação ainda não foi concluída.

Os deputados ainda analisam os destaques —recursos para que temas específicos sejam analisados separadamente.

Num destaque apresentado pelo PDT, houve acordo entre a oposição, governo e partidos de centro por regras mais vantajosas para professores.

Foi aprovada, portanto, uma idade mínima de 55 anos para professores que já estão na ativa e de 52 anos para professoras.

Antes, essa regra de transição para a categoria previa idade mínima de 58 anos, se homem, e 55 anos, se mulher.

A mudança vale para quem optar pela regra de transição que exige um “pedágio” de 100%. Ou seja, se faltam dois anos para se aposentar, seria necessário trabalhar mais quatro anos.

Para quem ainda vai entrar na carreira de professor, a proposta de reforma da Previdência não deve ser alterada. Permanece, portanto, a idade mínima de 60 anos, se homem, e 57 anos, se mulher.

Trabalhadores do INSS e setor público

Os deputados rejeitaram nesta sexta-feira (12) emenda à reforma da Previdência apresentada pelo PDT que previa regras de transição mais brandas para trabalhadores do INSS e do setor público. As mudanças receberam 296 votos contrários e 165 favoráveis.

Esse foi o primeiro dos destaques votados nesta sexta por deputados, que entram no segundo dia de negociações por medidas que devem abrandar o texto-base da reforma da Previdência. Na quinta, foram abrandadas regras para aposentadoria de homens e mulheres, policiais e também da pensão por morte.

Caso fosse aprovada, a mudança teria impacto de R$ 87 bilhões em dez anos, segundo cálculos de técnicos legislativos.

A proposta do PDT estipulava uma redução de 100% para 50% do “pedágio”. Ou seja, se faltassem quatro anos para a aposentadoria, seria necessário trabalhar mais seis anos.

Na regra mantida, o servidor ou empregado vai ter que trabalhar 100% do tempo que falta –no exemplo acima, mais quatro anos.

Deputados devem discutir mudanças nos cálculos do valor dos benefícios para aposentadorias e pensões, em duas medidas propostas pelo PT e com potencial de reduzir a economia da Previdência em mais de R$ 160 bilhões cada.

O governo disse que não deve refazer cálculos oficialmente enquanto a votação dos destaques não for concluída.

Deixe seu comentário: