Últimas Notícias > Notícias > Geral > O Facebook armazenou milhões de senhas do Instagram sem criptografá-las

A Feira do Peixe de Porto Alegre começou com expectativa de vendas ainda maiores que na edição do ano passado

Animais oferecidos vivos estão entre os atrativos das bancas no largo Glênio Peres. (Foto: Eduardo Beleske/PMPA)

Com abertura oficial às 14h desta terça-feira, a 239ª a Feira do Peixe de Porto Alegre já está a pleno vapor no largo Glênio Peres, em frente ao Mercado Público (Centro Histórico). As bancas oferecem desde a tarde passada uma série de itens e a expectativa é de superar o desempenho da edição de 2018, quando foram vendidas 407 toneladas (R$ 506 milhões).

O evento prossegue até sexta-feira, instalado em um espaço de 2,5 mil metros quadrados. Um dos 51 estandes comercializa os pescados ainda vivos, garantindo assim um produto totalmente fresco. Já outras disponibilizam artigos já tradicionais, como o peixe assado na taquara, bolinhos e espetinhos.

Segundo a prefeitura da Capital gaúcha, os peixes mais procurados são tilápia, merluza, tainha, abrótea, corvina e anchova. Paralelamente, ocorrem a 17ª Feira do Peixe da Restinga e a 8ª Feira do Peixe do Extremo Sul, no bairro Belém Novo (em ambas, a população encontrará, além de peixes, mostras de vinhos, artesanato e hortigranjeiros). Juntos, esses três pontos movimentaram mais de 700 mil pessoas na edição de 2018.

História

A Feira do Peixe de Porto Alegre teve a sua primeira edição em 1880, apenas oito anos após a fundação da cidade. Atualmente, mobiliza diretamente mais de 250 famílias de pescadores. Além de fomentar a cadeia produtiva da piscicultura e de atividades agrícolas, o evento apresenta o potencial do município no setor de comércio, indústria e serviços.

“O evento faz parte da cultura de Porto Alegre e valoriza a economia local, na medida em que gera emprego e renda para as comunidades do arquipélago e pescadores das zonas Sul e Extremo Sul da Capital”, ressalta o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Eduardo Cidade. “Certamente, é uma das mais antigas e importantes manifestações da economia e da cultura de Porto Alegre.”

Desde 2017, a feira é promovida sem recursos públicos. Todo o valor do evento é custeado pelos feirantes da Colônia Z-5 de Pescadores e da Appesul (Associação de Pescadores), além de atacadistas e expositores. As três mostras realizadas paralelamente contam com o apoio institucional da Divisão de Fomento Agropecuário da Coordenadoria de Promoção Econômica da Secretaria.

O responsável pelo departamento, Oscar Pellicioli, chama a atenção para o empreendedorismo dos pescadores e para o aspecto cultural e turístico da Feira, que vem há mais de dois séculos gerando emprego e renda para a Capital: “O sucesso obtido a cada edição nos indica que estamos trilhando o caminho correto para melhorar a qualidade de vida do pescador e oferecer produtos de qualidade a preços adequados ao consumidor de Porto Alegre e arredores”.

239ª Feira do Peixe de Porto Alegre

– Largo Glênio Peres (Centro Histórico);

– 16 a 19 de abril;

– 8h30min às 20h30min.

17ª Feira do Peixe da Restinga

– Esplanada da Restinga (bairro Restinga);

– 17 a 19 de abril;

– 8h30min às 20h30min.

8ª Feira do Peixe do Extremo Sul

– Local: Praça Inácio Antônio da Silva (bairro Belém Novo);

– 17 a 19 de abril;

– 8h30min às 20h30min.

(Marcello Campos)

Deixe seu comentário: