Últimas Notícias > Capa – Caderno 1 > Tentativa de assalto em bairro de Novo Hamburgo termina com guarda municipal baleado

A imprensa russa considera o vídeo de torcedores do Brasil como abuso sexual

Caso ganhou repercussão internacional. (Foto: Reprodução)

Não demorou para o vídeo em que torcedores brasileiros do Mundial humilham uma mulher provocar indignação na Rússia. Meios de comunicação locais reportaram a primeira gravação e sua viralização na internet e atribuíram o comportamento de seus autores à “ignorância” e o classificaram de “expressão de misoginia” e “abuso sexual”.

A mídia russa destacou ainda os expressivos números de estupro e assédio sexual contra mulheres no Brasil e como o vídeo causou repulsa igualmente entre os brasileiros. “Os fãs de futebol do Brasil vieram para a Rússia e levantaram uma onda de indignação entre os cidadãos”, descreveu o site de notícias Medialeaks, ao comentar o vídeo em que os torcedores gritam uma expressão chula (“b… rosa”, em alusão ao órgão sexual feminino) em torno de uma estrangeira que não entende o significado do que está sendo dito – e é levada a repetir a expressão.

“O vídeo pode parecer neutro para as pessoas que não se dedicam às sutilezas da língua portuguesa, mas é uma expressão obscena, usada em uma canção brasileira indecente, que, traduzida para o russo, se refere ao órgão sexual feminino”, completou o Medialeaks.

O site também ressaltou o fato de, no Brasil, o episódio ter provocado reação de usuários das redes sociais e de movimentos de luta pelos direitos das mulheres. “Funcionários, celebridades e jornalistas brasileiros condenaram o ato daqueles homens como uma manifestação do machismo e de superioridade masculina e acharam inaceitável o comportamento daqueles torcedores.”

O jornal moscovita MK reagiu dizendo que “a ignorância pode gerar piadas cruéis”. O diário igualmente destacou a onda de protestos que o vídeo provocou no Brasil e, em especial, a sua caracterização como “o clássico assédio”. “Lembre-se que esta definição não se refere apenas ao assédio sexual, mas também às piadas misóginas e a outras manifestações de opressão às mulheres”, ressaltou.

A reportagem do MK mostra surpresa especial pelo fato de um dos torcedores identificados, Eduardo Nunes, ser tenente da Polícia Militar de Santa Catarina (SC). O jornal sublinhou declarações oficiais da corporação de que medidas disciplinares serão adotadas contra ele. Também registrou o comentário indignado do suposto responsável por divulgar o vídeo na internet sobre o fato de mais de cinco mulheres serem estupradas no Brasil a cada hora.

“A violência contra as mulheres é tão enraizada no povo brasileiro. Não é engraçado. Tais coisas fortalecem os estereótipos que são a base do machismo e, por sua vez, a causa das mortes e estupros que vemos todos os dias. Seria legal se os rostos desses vídeos fossem expostos e punidos, até mesmo a impunidade encoraja esse comportamento vergonhoso”, escreveu.

A rede russa 360TV resumiu o episódio ao dizer que “na Rússia, o que aconteceu é chamado de assédio”. “A questão toda é que, no Brasil, o problema da violência contra as mulheres é extremamente agudo”, destacou, ao comentar a reação dentro do próprio país contra o comportamento de seus torcedores.

Outros vídeos

Desde a divulgação desse vídeo, outros dois exemplares passaram a circular na internet trazendo o mesmo comportamento de brasileiros. Em um deles, Felipe Wilson e outros torcedores pedem a três garotas russas para repetirem a frase “eu quero dar a b… para vocês”. A companhia aérea Latam, empregadora de Wilson, anunciou nesta quarta a demissão do funcionário.

Um terceiro vídeo que repercutiu na internet mostra um torcedor brasileiro, ainda não identificado, insistindo para dois meninos russos repetirem frases de baixo calão na primeira pessoa.

Deixe seu comentário: