Últimas Notícias > Notícias > Mundo > O Uruguai tem falta de maconha: a produção não é suficiente para abastecer os mais de 47 mil consumidores registrados

A Lamborghini do bilionário Eike Batista e a lancha do ex-governador do Rio Sérgio Cabral vão a leilão por ordem do juiz da Operação Lava-Jato no Rio

No primeiro leilão, Renato Guedes oferecerá os bens por preço igual ou superior ao valor da avaliação. (Foto: Reprodução)

Sob o martelo do leiloeiro Renato Guedes, alguns dos símbolos da opulência do grupo ligado ao ex-governador do Rio Sérgio Cabral vão mudar de dono no mês que vem. Por determinação do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, um lote de bens apreendidos pela força-tarefa da Operação Lava-Jato no Rio irá a leilão em duas etapas, nos dias 4 e 18 de julho, na sede da Justiça Federal. Na lista já divulgada em edital, destacam-se a lancha “Manhattan Rio”, atribuída a Cabral, a fazenda “Três Irmãos”, de Carlos Miranda, operador financeiro do ex-governador, e o Lamborghini Aventador, carro de luxo que enfeitava a sala do empresário Eike Batista.

No primeiro leilão, Renato Guedes oferecerá os bens por preço igual ou superior ao valor da avaliação. O lote, composto por duas lanchas, dois jetskis, um jetboat, três carros e dois imóveis (uma fazenda e um apartamento), soma R$ 12,5 milhões. O segundo leilão, no dia 18, seguirá o critério da melhor oferta, desde que não seja inferior a 75% do valor da avaliação.

O bem mais caro da lista é a lancha “Spirit of Brazil” – Intermarine 680, de Eike Batista, avaliada em R$ 3,5 milhões. O empresário, que chegou a ser preso sob a acusação de pagar propina a Cabral, figura como dono de outros quatro bens destinados a leilão. Um deles é a Lamborghini Aventador, ano de fabricação 2012, avaliada em R$ 2,2 milhões. O modelo, com 700 cavalos de potência, é capaz de ir de zero a 100 quilômetros por hora em 2,9 segundos e atinge velocidade máxima de 350 quilômetros por hora. No entanto, quem arrematá-lo terá de assumir débitos de IPVA, dos exercícios 2018 e 2019, no valor de R$ 135 mil, além de multa junto ao Detran no valor de R$ 127,00.

Lançado em 2011, o Aventador ainda é o mais caro e potente superesportivo da atual linha Lamborghini. Sucessor direto dos modelos Diablo e Murciélago, está um degrau acima do Huracán na gama de modelos produzidos pela marca italiana.

Completam a lista de bens de Eike o jetboat “Thorolin” (R$ 47 mil) e os jetskis “Spirit of Brazil X” (R$ 42 mil) e “Spirit of Brazil IX” (R$ 52 mil).

Máquina sem manutenção

O empresário anunciou que não criará obstáculos ao leilão de bens. O advogado do empresário, Fernando Martins, explicou que o cliente apóia a venda:

“O leilão se dará por solicitação de Eike Batista, para venda antecipada dos bens, visando resguardar seus respectivos valores aquisitivos, uma vez que se encontram sem uso e sem manutenção há algum tempo.”

Quem arrematar a “Manhattan Rio”, outro ícone da Era Cabral, avaliada em R$ 2,95 milhões, assumirá o comando de uma lancha com quatro quartos, sendo duas suítes com camas de casal, sala de estar e de jantar e capacidade para um tripulante e 23 passageiros.

Ao determinar a alienação antecipada dos bens, Bretas foi motivado pelo processo de depredação da fazenda “Três Irmãos”, do operador Carlos Miranda em Paraíba do Sul. Com 21,2 alqueires, a propriedade sofreu ao longo dos dois últimos anos constantes invasões e furtos de patrimônio. Avaliada em R$ 3 milhões, a “Três Irmãos” é um complexo com casa principal, casa de hóspedes, casa do administrador da fazenda, curral, capril, bodário, alambique e galpão .

A defesa de Miranda confirma que a antiga fazenda do colaborador será leiloada “em decorrência do acordo de colaboração premiada firmado com o MPF e homologado pelo STF”.

O lote conta ainda com um apartamento na Rua Geminiano Góis, nº 151, Freguesia (R$ 580 mil), pertencente a Ary Ferreira da Costa Filho, outro operador de Cabral, um Pajero HPE (R$ 155 mil), do ex-secretário de Obras Hudson Braga, e um Peugeot 206 (R$ 11 mil), de Luiz Carlos Bezerra, apontado como coletor da propina de Cabral.

Os valores arrecadados no leilão serão depositados na Caixa Econômica Federal até que haja o trânsito em julgado dos processos da Lava-Jato no Rio.

Deixe seu comentário: