Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Fair

Notícias A operação Balada Segura abordou 5 mil motoristas no litoral gaúcho durante o verão

Ao menos 22 condutores tiveram a CNH recolhida foram impedidos de prosseguir viagem. (Foto: Arquivo/Detran-RS)

Com atividades em Capão da Canoa, Imbé, Torres, Tramandaí e Xangri-lá durante toda a temporada de veraneio no Litoral Norte, a operação Balada Segura abordou quase 5 mil motoristas no período. O objetivo principal foi a prevenção de acidentes de trânsito associados à embriaguez ao volante.

Foram 55 blitze no período de 14 de dezembro até o último domingo (10 de março), conforme balanço divulgado nesta semana. Agentes do Detran (Departamento Estadual de Trânsito) do Rio Grande do Sul e da Brigada Militar abordaram, mais precisamente, 4.928 condutores e aplicaram 4.399 testes do bafômetro.

Destes, 13% dos abordados (640 condutores) foram autuados por acusarem consumo de bebida alcoólica ou se recusarem a soprar o etilômetro. Em pelo menos duas situações, houve encaminhamento a Delegacia de Polícia por concentração de álcool no sangue em nível considerado como crime de trânsito pela legislação brasileira.

As ações da Balada Segura no Litoral Norte registraram, ainda, 2.388 infrações por motivos diversos durante o verão. O volume de veículos recolhidos chegou a 262, enquanto as apreensões de carteiras de motorista irregulares alcançou 691 documentos.

Oito anos de atuação

No dia 4 de fevereiro de 2011, acontecia no bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre, a primeira blitz da Balada Segura. Passados oito anos desde então, a operações já contemplam 34 municípios do Rio Grande do Sul.

“O número de blitze e abordagens só aumenta, mas o percentual de motoristas flagrados dirigindo depois de beber vem caindo ao longo dos anos”, ressalta o site www.baladasegura.rs.gov.br.

Em 2011, o percentual de motoristas sob o efeito de álcool ou que se recusavam a fazer o teste do etilômetro era de 12,2% sobre o total de abordados. No ano passado, esse índice passou para 6,8%, o que representa uma variação de -44% no período.

Foram mais de 9 mil blitze realizadas nesse período (não contabilizados os números totais do verão de 2019), com 577 mil abordagens em todo o Estado. As operações já flagraram e retiraram de circulação cerca de47 mil condutores que dirigiam sob o efeito de álcool ou se recusaram a fazer o teste.

Punição para fujões

Quem pensa ter escapado de punição ao transpor sem autorização uma blitz de trânsito está enganado: a simples tentativa de fuga de barreira, mesmo que momentaneamente bem sucedida, é considerada infração gravíssima e gera uma punição pesada, com multa de R$ 293,47, suspensão do direito de dirigir por seis meses, remoção do veículo e recolhimento da carteira de habilitação.

Somente neste verão, o Detran-RS contabilizou oito casos em que o motorista tentou “driblar” a fiscalização da Balada Segura nas praias gaúchas. Na madrugada do último sábado, por exemplo, um condutor desobedeceu à ordem de parada feita por agentes em Capão da Canoa: além de colidir o carro, ele foi preso em flagrante e sem direito a fiança, por estar com 0,81 miligramas por litro de álcool no sangue.

A média de infrações pelo artigo 210, do Código de Trânsito Brasileiro, que prevê a transposição, sem autorização, de bloqueio viário policial, tem sido de duas por dia nos últimos dez anos. Em 2018, foram 996 autuações por esse motivo no Rio Grande do Sul – quase três por dia.

(Marcello Campos)

Voltar Todas de Notícias

Compartilhe esta notícia:

“Não lembro desse cara”, diz Bolsonaro sobre um vizinho suspeito de matar Marielle
O governo federal prepara medidas para travar os concursos públicos
Deixe seu comentário
Pode te interessar