Últimas Notícias > Capa – Caderno 1 > Filho de Osama Bin Laden está morto, diz Casa Branca

Theatro São Pedro recebe neste fim de semana a versão da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre para a ópera “Orfeu e Eurídice”

Apresentação destaca obra do alemão Christoph Willibald Gluck (1714-1787). (Foto: Marcelo Nunes/Divulgação)

Uma das obras-primas sobre a mitologia grega no palco do Theatro São Pedro, a ópera “Orfeu e Eurídice”, do alemão Christoph Willibald Gluck (1714-1787), ganhou mais uma versão, desta vez a cargo da Ospa (Orquestra Sinfônica de Porto Alegre).

O espetáculo estará no palco do Theatro São Pedro (Centro Histórico) neste fim de semana, com apresentações às 20h de sábado e às 18h de domingo. Mais informações pelo telefone (51) 3222-7387 ou no site www.ospa.org.br.

O diretor artístico e maestro titular Evandro Matté conduz a ópera, com a participação do Coro Sinfônico da Ospa e de bailarinos da Companhia Municipal de Dança de Porto Alegre, além de uma equipe de solistas especializados no gênero. A direção cênica está a cargo de William Pereira, que promete uma roupagem contemporânea. Os ingressos estão à venda no local, por valores entre R$ 60 e R$ 130.

Nos últimos três anos, a Ospa retomou a apresentação de óperas encenadas do repertório tradicional com as montagens de “Don Pasquale”, ‘Don Giovanni” e da opereta “A Viúva Alegre”.

Agora, a atração é uma das peças mais importantes da história operística. “Orfeu e Eurídice” é segmentada em três atos e retrata a mitologia grega com base na história de Orfeu, que desce ao inferno, onde nenhum ser vivo havia chegado, para pedir aos deuses ressuscitarem sua esposa, morta por uma cobra.

Revolucionária, a obra rompe com a tradição italiana ao reduzir o número de solistas a três, garantir protagonismo ao coro e lançar mão de árias simples mas de intenso apelo dramático.

“Faremos a montagem completa da ópera que mudou o curso da história da música”, entusiasma-se Matté. “Em ‘Orfeu e Eurídice’, a vida é resgatada através do poder mágico da música.”

Elenco

Para encenar a ópera, a sinfônica recebe um elenco de grande relevância no cenário nacional. Denise de Freitas, uma das mais renomadas mezzo-sopranos na atualidade, interpreta Orfeu.

Aclamada pela crítica especializada, a cantora é recordista de óperas no Theatro Municipal de São Paulo, representando os mais diversos papéis, sejam femininos ou masculinos. Já Eurídice é revivida pela soprano Carla Cottini, vencedora do Prêmio Revelação no 10º Concurso de Canto Maria Callas.

Para encenar o papel do Cupido, foi escalada Raquel Fortes, que carrega uma bagagem pelas principais orquestras do Estado, integrando também o primeiro Opera Studio do Theatro Municipal de São Paulo, onde apresentou Primeira Dama e Rainha da Noite da ópera “A Flauta Magica”, de Mozart.

Valores

Os ingressos custam R$ 60 (galeria), R$ 100 (camarote lateral), R$ 110 (camarote central) e R$ 130 (plateia), com descontos para seniores, estudantes, titulares de cartões conveniados, clientes do Banrisul, doadores de sangue, pessoas com deficiência e jovens de baixa renda. A compra pode ser feita na bilheteria do teatro, das 15h até o horário do início do espetáculo.

(Marcello Campos)

Deixe seu comentário: