Últimas Notícias > Colunistas > Efemérides > Fatos históricos do dia 17 de junho

A Polícia Federal deflagrou uma operação contra a exploração sexual de crianças e adolescentes em oito Estados. No Rio Grande do Sul, um homem foi preso em Montenegro

Agentes também cumpriram mandados em Porto Alegre, Três Cachoeiras e Taquara. (Foto: Divulgação/PF)

Ao longo da manhã dessa quinta-feira, a PF (Polícia Federal) deflagrou no Rio Grande do Sul e em outros sete Estados a operação “Nêmesis”. O objetivo foi reprimir a prática de crimes de produção, armazenamento e distribuição de material pornográfico envolvendo crianças e adolescentes.

Dos 28 mandados judiciais de prisão, busca e apreensão, seis foram cumpridos no em cidades gaúchas. Um homem de 23 anos foi preso em flagrante em Montenegro (Vale do Caí). A identidade dele não foi divulgada, nem o local onde ocorreu a ação – informações extraoficiais dão conta de que trata-se de um estudante que estava em casa quando a PF bateu à porta.

Também entraram na rota da ofensiva Porto Alegre e as cidades gaúchas de Taquara e Três Cachoeiras. Nessas três, as ordens envolveram mandados de busca e apreensão.

Cerca de 120 policiais federais participam das buscas no Estado e também em Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraíba, Sergipe e Maranhão. Os suspeitos serão processados por crimes como pornografia infantil previstos no ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente).

A denominação “Nêmesis” faz referência a uma deusa da mitologia grega que simboliza a indignação pela injustiça praticada e a punição divina diante do comportamento desmedido dos mortais. Sua função essencial era restabelecer o equilíbrio quando a justiça deixa de ser praticada.

A ofensiva dessa quinta-feira coincide com a semana do Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, celebrado anualmente em 18 de maio. Como motivo para a escolha da data está a memória do cébebre Caso Araceli, crime que chocou o País na década de 1970.

Trata-se de uma menina de 8 anos de idade, violentada e morta no dia 18 de maio de 1973. Os culpados jamais foram punidos ou mesmo identificados.

Punições

A operação “Nêmesis” é coordenada pela Unidade de Repressão aos Crimes de Ódio e Pornografia Infantil da Polícia Federal. As sentenças para os crimes investigados variam entre um e oito anos de prisão em regime fechado, assim especificados:

– Um a quatro anos de cadeia para quem armazena material de pornografia infantil;

– Para quem compartilha, a pena é de três a seis anos de prisão;

– A punição aumenta para quatro a oito anos de prisão se o condenado produziu esse tipo de material.

Ofensiva anterior

Em março, a quarta fase da operação “Luz na Infância”, deflagrada pelo Ministério da Justiça e pela Polícia Civil prendeu aproximadamente 150 pessoas em flagrante em diversos Estados. Em uma das ações, os agentes chegaram à casa de um envolvido justamente no momento em que ele via imagens de pornografia infantil em seu computador.

Na ocasião, o titular da pasta da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, se manifestou sobre esse tipo de crime: “Isso não pode ser tolerado, é algo grave que atinge o que a gente tem de mais valioso na nossa sociedade, que são as crianças e os adolescentes”.

(Marcello Campos)

Deixe seu comentário: