Últimas Notícias > CAD1 > Jogando fora de casa, o Inter enfrenta nesta quarta-feira o Bahia com o desafio de manter no segundo turno do Brasileirão a boa campanha colorada

A população brasileira atingirá o “teto” de 233 milhões de pessoas em 2047: No ano seguinte, o total de habitantes começará a cair

O IBGE divulgou uma revisão da estimativa da população brasileira para as próximas décadas. (Foto: Reprodução)

O IBGE divulgou uma revisão da estimativa da população brasileira para as próximas décadas. A nova Projeção de População utiliza metodologia mais precisa e revisa os números de 2013. A principal conclusão é que a população brasileira atingirá o teto de 233 milhões de pessoas em 2047, e a partir do ano seguinte entrará em curva descendente. As informações são do jornal O Globo.

No estudo anterior, a estimativa era de que o número de mortes ultrapassasse o número de nascimentos em 2043, mas houve uma subavaliação da taxa de fecundidade no país nos últimos anos. Os novos cálculos indicam a partir de 2048 uma suave queda no número de brasileiros até chegar ao patamar de 228 milhões em 2060.

“Agora passamos a fazer um pareamento entre os dados do Ministério da Saúde e os do sistema de registro civil do IBGE. São dados complementares, e que nos deram uma precisão maior em relação ao número de nascidos no Brasil”, explica o demógrafo do IBGE Marcio Minamiguchi, um dos técnicos que participaram do trabalho. “Observamos que, em alguns estados do Sul e do Sudeste, já desde o final de década de 2000, houve uma estabilização da queda da taxa de fecundidade, e até uma ligeira recuperação em alguns casos. Assim, atualizamos para cima a taxa de fecundidade projetada, o que afetou o momento em que o crescimento vegetativo passará a ser negativo.”

Uma outra projeção importante desse trabalho do IBGE indica um crescimento da chamada “razão de dependência” da população – a soma do número de crianças de até 14 anos com o de idosos acima de 65 sobre o total da população economicamente ativa (entre 15 e 64 anos). Atualmente, esta razão de dependência é de 44%, ou seja, para cada 44 brasileiros na faixa etária da infância ou de idosos, há 100 na faixa economicamente ativa. A previsão é que em 2060 esta taxa chegue a 67%. Em 2060, um quarto da população (25,55%) terá mais de 65 anos.

O IBGE projetou ainda a evolução da idade média da população brasileira, atualmente em 32,6 anos. Hoje, nove estados têm média de idade abaixo dos 30 anos. O mais jovem é o Acre, com idade média de 24,9 anos. O Rio Grande do Sul é o mais envelhecido, com média de 35,9 anos.

A expectativa de vida no país também deve aumentar. Atualmente, os homens vivem em média 72,7 anos, e as mulheres, 79,8 anos. A previsão é que esses números cresçam para 77,9 para os homens e 84,2 para as mulheres em 2060.

Além dos dados de fecundidade e mortalidade, a Projeção da População do Brasil também estudou as migrações entre estados. Doze unidades da federação (Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Minas Gerais, Paraná, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte e Rio de Janeiro) deverão ter sua população reduzida antes de 2048 por conta de fluxos migratórios negativos. Ou seja, maior saída do que chegada de habitantes.

Já no Acre, no Amapá, no Amazonas, em Goiás, no Mato Grosso, no Mato Grosso do Sul, em Roraima e em Santa Catarina não há estimativa de redução da população até 2060, ano limite do estudo.

Deixe seu comentário: