Últimas Notícias > Esporte > Futebol > Inter > O Inter voltou a treinar com foco no terceiro duelo seguido com o Novo Hamburgo

A presença de um drone fechou o principal aeroporto de Londres por uma hora. O terminal aéreo é o mais movimentado da Europa

Aviões aguardam para decolar durante paralisação no aeroporto de Heathrow. (Foto: Reprodução)

O aeroporto de Heathrow, em Londres (Reino Unido), ficou fechado por cerca de uma hora nesta terça-feira (8), após um drone ser avistado voando no local. Heathrow é o principal aeroporto de Londres e o mais movimentado da Europa. Passaram por ali 78 milhões de passageiros em 2017.

“Nós estamos lidando com o caso de um drone avistado em Heathrow”, disse o aeroporto, em nota. “Como medida de precaução, interrompemos as decolagens enquanto investigamos. Pedimos desculpas aos passageiros por qualquer inconveniente”.

A polícia metropolitana de Londres disse que recebeu alertas de um drone perto do aeroporto às 17h05min na hora local (15h05min em Brasília). Os voos foram retomados a partir de 18h11min (16h11min em Brasília), segundo sites de monitoramento da aviação.

O segundo aeroporto mais movimentado de Londres, Gatwick, teve graves problemas com drones em dezembro. Durante três dias seguidos, a presença desses pequenos aparelhos voadores fez com que o aeroporto ficasse fechado por várias horas. Na ocasião, cerca de mil voos foram cancelados e 140 mil pessoas foram afetadas.

Para que Gatwick fosse reaberto, foi necessário que o Exército britânico instalasse tecnologia militar no local, para garantir a segurança e evitar a presença de drones. O governo britânico disse que o Exército está se preparando para instalar a mesma tecnologia em Heathrow.

Perturbações em dezembro

No último dia 23 de dezembro, a polícia britânica informou ter libertado Paul Gait, 47, e Eliane Kirk, 54, que tinham sido presos dois dias antes por suposto envolvimento no “uso criminoso de drones” no aeroporto de Gatwick, após dias de perturbações que fizeram milhares de pessoas perderem seus voos.

A polícia de Sussex divulgou que os dois, cujas identidades foram reveladas pelo jornal Telegraph, haviam cooperado com a polícia – foram interrogados por quase 36 horas – e não eram mais considerados suspeitos.

Os drones foram vistos pela primeira vez voando em torno de Gatwick, o segundo maior aeroporto do Reino Unido, no dia 19 de dezembro, o que obrigou o fechamento da pista e afetou mais de mil voos, provocando caos para mais de 120 mil pessoas a poucos dias do Natal.

A legislação britânica estipula que drones não podem ser usados a menos de um quilômetro de um aeroporto e não podem superar uma altitude de 122 metros.

Veículos aéreos não tripulados têm se tornado ameaça a aeroportos ao redor do mundo. No Reino Unido, o número de quase colisões entre drones privados e aeronaves mais do que triplicou entre 2015 e 2017, com 92 incidentes registrados no ano passado.

Deixe seu comentário: