Últimas Notícias > Colunistas > Fatos históricos do dia 22 de novembro

Agora é tarde

Deputados federais querem vitrine

Deputados federais se apressaram no final de semana para tratar da criação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito). Alegam que “o escândalo da carne contaminada precisa de apuração e a gente vai acompanhar”.
A Câmara deve só acompanhar. Chegou tarde, porque a apuração da Polícia Federal está completa. Neste episódio, CPI, a tradicional vitrine, será sinônimo de redundância.

NA ÁREA DO DEBOCHE

Sobre o escândalo da carne, o secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Luiz Rangel, disse ontem que “não existe risco sanitário”. Faltou acrescentar o que precisa acontecer para caracterizar risco.

ENTENDIMENTO IMPOSSÍVEL

Neste mês, completam-se 28 anos da primeira greve do magistério estadual. Desde então, sucederam-se muitas outras com prejuízos evidentes.
Há dois caminhos a seguir. O primeiro: concordar com a perda crescente da qualidade do ensino, como comprovam pesquisas com alunos. O segundo: a redenção do Estado pela educação pública de qualidade.
Enquanto não houver disposição dos professores e do governo do Estado para se reunirem, abrindo diálogo franco, sucessivas gerações pagarão preço alto na formação.

EXPLICAÇÕES NECESSÁRIAS

O plenarinho da Assembleia Legislativa vai lotar, às 14h de hoje, quando o secretário da Fazenda, Giovani Feltes, começará a explicar os termos do Plano de Recuperação Fiscal que será firmado com a União. A iniciativa é do deputado Frederico Antunes que perguntará sobre detalhes da dívida do Estado e os prazos da renegociação.

MUDOU

Não se imaginava que as privatizações de aeroportos pudessem ocorrer sem a participação de alguns ingredientes: empresas suspeitas, financiamento do BNDES, fundos de pensão de servidores públicos e acertos por fora. As empresas privadas vencedoras agora são profissionais no ramo e pagaram com dinheiro próprio.

SUCESSÃO DE JANOT

Em dois meses começará o processo de escolha do novo procurador-geral da República. Rodrigo Janot, que encerra o segundo mandato, não pode concorrer à reeleição. Nos bastidores, surgem as candidaturas de Ela Wiecko, Raquel Dodger, Nicolau Dino e Mário Bonsaglia. Quem for eleito terá a responsabilidade de pedir inquéritos e oferecer denúncias de envolvidos em corrupção federal.

NÃO SE FUNDAMENTA

Há uma corrente de opinião que gosta de usar a imaginação e criar incertezas, insistindo em dizer que a Lava Jato pode parar, recuar e definhar. A Operação segue firme. É uma das maiores já realizadas no mundo para descobrir desvios de dinheiro, numa mistura espúria entre o público e o privado.

MAIS SEGURO

O medo de assaltos muda hábito: aumenta o número de proprietários que, à noite, deixam seus automóveis em casa, utilizando táxis e aplicativos de veículos particulares para os deslocamentos.

RÁPIDAS

* A tendência é que a reforma da Previdência leve parte dos trabalhadores a contratar previdência privada.

* Chumbo no governo: será do PC do B o espaço, amanhã à noite, para propaganda em rede nacional de rádio e TV.

* Políticos que se excedem em autoelogios esquecem do ditado: quem fala de si, só a si não aborrece.

Deixe seu comentário: