Últimas Notícias > Esporte > O Grêmio perdeu para o Palmeiras por 1 a 0 no jogo de ida das quartas de final da Libertadores

“Agora que sou presidente dos Estados Unidos denunciarei os crimes de Fidel Castro!”, disse Donald Trump

Donald Trump fez anúncio em Miami, forte reduto de cubanos nos EUA. (Foto: Reprodução)

Mais um legado de Barack Obama foi rasgado pelo seu sucessor. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deu uma guinada nas relações com o governo de Raúl Castro, de Cuba: proibiu negociações com os militares na ilha e prometeu apoiar o povo cubano na luta contra o seu “brutal” governo.

“Eu estou cancelando o acordo completamente unilateral da última administração [Obama] assinado com Cuba”, afirmou Trump em um comício realizado em Little Havana, na cidade de Miami, tradicional polo de exilados cubanos no Estado norte-americano da Flórida. No entanto, algumas das medidas implementadas pela administração anterior devem ser mantidas.

“A partir de agora estou cancelando completamente o acordo unilateral com Cuba”, disse Trump ao anunciar ao exílio cubano as suas modificações na política de Washington com Havana. “Não queremos que os dólares norte-americanos parem em um monopólio militar que explora e abusa dos cidadãos de Cuba […] e não iremos retirar as sanções até que libertem os presos políticos”, prometeu Trump.

A nova política impede principalmente qualquer transação financeira com o Grupo de Administração de Empresas (GAESA), uma holding estatal cubana que, de acordo com Washington, beneficia diretamente chefes de alto escalão das Forças Armadas.

Enquanto os sentimentos para com Trump podem ser encontrados em uma comunidade tradicionalmente conservadora, o apoio a esta medida em particular é monolítico porque força os investidores estrangeiros a se entender diretamente com os novos empresários na ilha.

Ramón Saúl Sánchez, líder do moderado Movimento Democracia, que advoga pela retirada do embargo, disse que está “de acordo com este ponto, porque infelizmente a economia cubana está tomada pelos militares, que são uma máfia”.

Viagens
Trump também fixou medidas mais estritas para controlar que os americanos que viajem à ilha o façam efetivamente em alguma das 12 categorias já implementadas por Obama, nenhuma das quais inclui o turismo.

Mas as relações diplomáticas se mantêm e os cubanos continuam com o direito de viajar e enviar remessas.

Esta nova política não reverte os feitos da aproximação iniciada por Washington e Havana em dezembro de 2014, mas endurece os seus termos.

Um dos maiores legados políticos do presidente anterior foi a abertura das relações diplomáticas com Havana em 2015, após meio século de ruptura e desconfiança.

Desde então, Washington abriu um incipiente fluxo de troca comercial e permitiu que os americanos viajassem dentro de 12 categorias, entre elas o “contato povo a povo” e o “intercâmbio cultural”.

Agora, sob o novo Memorando Presidencial de Segurança Nacional, o Departamento do Tesouro fará uma auditoria de tais justificativas para viajar, quando anteriormente o viajante só precisava dar a sua palavra.

O endurecimento da restrição aos viajantes foi criticado pelo embaixador de Cuba em Washington.
“Já é oficial: estes são os novos inimigos da política exterior americana. Cuidem-se!”, escreveu José Ramón Cabañas no Twitter, junto com uma fotografia de turistas passeando em Havana.

Mais de 250.000 americanos visitaram a ilha nos primeiros cinco meses de 2017, o que representa um crescimento de 145% em relação ao mesmo período de 2016, informou na quarta-feira um portal cubano citando fontes oficiais.

Empresas aéreas e de cruzeiros para Cuba fizeram investimentos milionários nos últimos dois anos para se preparar para o novo cenário bilateral.

Trump anunciou que reforçará o embargo contra a ilha e que seu governo adotará novas restrições a viagens de americanos para Cuba e a proibição para empresas norte-americanas de fazer negócios com empresas cubanas controladas pelas Forças Armadas do país latino-americano.

Ataque ao regime
O presidente denunciou o que chamou de “natureza brutal” do regime de Raúl Castro em Cuba. “Em breve alcançaremos uma Cuba livre”, afirmou o Trump.

Donald Trump denunciou, ante membros da comunidade cubana, o caráter brutal do regime em Cuba, Trump criticou o acordo assinado por Obama, que “não ajuda aos cubanos e enriquece o governo”. “Agora que sou presidente dos Estados Unidos denunciarei os crimes do regime de Castro”, afirmou, destacando os sofrimentos dos cubanos “durante cerca de seis décadas”. “Sabemos o que acontece e lembramos o que aconteceu”, acrescentou.

Desde que Barack Obama e Raúl Castro surpreenderam o mundo em 17 de dezembro de 2014, ao anunciar uma nova fase nas relações bilaterais, Washington tentou avançar no desmonte de algumas medidas administrativas de restrição ao comércio e às viagens.

Deixe seu comentário: