Últimas Notícias > Colunistas > Fatos históricos do dia 21 de agosto

Antonio Palocci fechou a segunda delação premiada com a Polícia Federal

Delação premiada de Antonio Palocci complica ex-companheiros. (Foto: Arquivo/Antonio Cruz/ABr)

O ex-ministro petista Antonio Palocci fechou acordo de delação premiada com a PF (Polícia Federal), em Brasília, sobre fatos relacionados à Operação Greenfield, que investiga fraudes em fundos de pensão, crimes contra o sistema financeiro e políticos com foro privilegiado no âmbito da Petrobras.

A delação, sob sigilo, mas confirmada pela RPC, afiliada da TV Globo no Paraná, foi homologada pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin, em 28 de outubro deste ano.

Foram 23 depoimentos que retratam a atuação de uma suposta organização criminosa no governo federal e também crimes envolvendo o sistema financeiro nacional.
O ex-ministro dos governos petistas também deu informações sobre a atuação supostamente criminosa dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff em fundos de pensão.

Palocci já responde pelas supostas fraudes nos fundos na Operação Greenfield, que está na Justiça Federal, em Brasília.
Esse acordo também prevê que o ex-ministro colabore nos processos em que é réu e nos inquéritos em que é investigado, no Supremo Tribunal Federal (STF).

Os citados

O Partido dos Trabalhadores (PT) afirmou ao portal G1 que Palocci mentiu sobre Lula e Dilma para sair da prisão e gozar os milhões que acumulou, enquanto Lula permanece preso sem ter, segundo o partido, cometido crime nenhum.

A assessoria de Dilma rejeitou as afirmações de Palocci, classificadas como mentiras. Afirmou que o ex-ministro buscava a liberdade e que não apresentou nenhuma prova.

A defesa do ex-presidente disse que Lula não cometeu qualquer ato ilícito antes, durante ou após exercer o cargo, que as afirmações de Palocci contra ele são mentirosas e que foram realizadas para que o ex-ministro pudesse obter benefícios com a Justiça.

Primeira delação

O ex-ministro Palocci fechou o primeiro acordo de delação – que também está sob sigilo – no âmbito da Operação Lava-Jato, em março deste ano. O acordo dele é diferente de outros da operação.

Além de ter sido firmado com a PF e não com o Ministério Público Federal (MPF), essa delação tem escopo específico. Conforme o termo, Palocci deve prestar informações sobre cinco investigações.

O acordo foi homologado pelo desembargador federal João Pedro Gebran Neto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), relator dos casos da Operação Lava Jato, em 22 de junho.

Em 1º de outubro, o então juiz federal Sergio Moro liberou trechos da delação de Palocci. Devido ao acordo, o ex-ministro teve a pena reduzida de 12 anos e 2 meses para 9 anos e 10 meses. Ele vai cumprir em prisão domiciliar.

Deixe seu comentário: