A Anvisa divulga um novo tratamento para a diabetes tipo 2

Oito novos testes rápidos auxiliam diagnóstico de doenças graves. (Foto: Reprodução)

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) divulgou, nesta segunda-feira (17), a aprovação de um medicamento que oferece mais uma alternativa para o controle glicêmico de pacientes diabéticos. O Soliqua (insulina glargina + lixisenatida) é o novo produto biológico indicado para o tratamento de diabetes mellitus tipo 2 (DMTV).

Segundo a Anvisa, o novo produto, fornecido em uma caneta aplicadora, é composto por uma combinação de duas moléculas em uma mesma formulação: a insulina glargina (Lantus®) e a lixisenatida (Lyxumia®), um agonista do receptor do GLP-1, que estimula a secreção de insulina quando a glicose sanguínea está aumentada. A lixisenatida é um parceiro terapêutico complementar para a insulina glargina basal em uma combinação de razão fixa.

O novo medicamento é indicado para o tratamento de diabetes mellitus tipo 2 (DMT2) em adultos. A intenção é melhorar o controle glicêmico quando medicamentos orais isolados ou combinados com insulina basal, ou insulina basal utilizada isoladamente, não proporcionarem o controle adequado da glicemia.

O diabetes mellitus é a elevação da glicose no sangue. Há dois tipos da doença. No tipo 1, a produção de insulina do pâncreas é insuficiente. Os portadores precisam de injeções diárias de insulina. No tipo 2 (cerca de 90% dos casos), a insulina está presente no organismo, mas sua ação é dificultada pela obesidade. Por ter poucos sintomas, na maioria das vezes permanece por anos sem diagnóstico.

De acordo com estudo recente, cada vez mais surgem casos do tipo 2, resultado de maus hábitos alimentares e sedentarismo. O Brasil tem atualmente 14,3 milhões de pessoas com diabetes, o que representa 9% da população. Metade delas, entretanto, não sabe que tem o problema.

Suspenso saneante de dialisadores e hemodiálise

A Anvisa informou que o saneante Peroxide P35 incluiu em sua rotulagem a indicação de uso em hemodiálise. Esta mudança só foi aprovada pela Anvisa no dia 3 de julho, assim, todos os lotes fabricados antes dessa data e que traziam, no rótulo, a indicação de uso em materiais de hemodiálise, foram suspensos.

O produto, que teve sua categoria alterada para esterilizante de uso exclusivo em dialisadores e linhas de hemodiálise, não apresentou problemas quanto ao uso.

A empresa Bell Type Industries Ltda é responsável pelo recolhimento do estoque dos produtos com problemas no rótulo fabricados antes de 3 de julho.

Álcool suspenso

A Agência suspendeu os lotes A4NI51202 e A4NI50503 do produto saneante Álcool 46,2º INPM Neutro da marca Tupi nesta segunda-feira (17). Laudos emitidos pela Fundação Ezequiel Dias (Funed/MG) apontaram resultados insatisfatórios em três diferentes testes laboratoriais para ambos os lotes.

Segundo os laudos, os lotes do álcool em questão apresentaram resultados não condizentes com o registro sanitário aprovado nos ensaios de teor alcóolico, pH e rotulagem. Tais ensaios avaliam, respectivamente, a quantidade de álcool no produto, o teor ácido ou básico da solução e as informações contidas no rótulo.

A suspensão é válida apenas para os lotes A4NI51202 (Fab 02/2015) e A4NI50503 (Fab 03/2015) do Álcool 46,2º INPM Neutro, marca Tupi.

Deixe seu comentário: