Últimas Notícias > Notícias > Brasil > “Não somos justiceiros, somos defensores da Constituição”, diz o ministro do Supremo Marco Aurélio sobre julgamento da prisão após a segunda instância

Após morte de menina de 8 anos, moradores do Complexo do Alemão protestam contra violência nas favelas

Com cartazes escritos "Ágatha Felix" e "vidas nas favelas importam", moradores protestam contra a violência policial. (Foto: Reprodução Twitter @vozdacomunidade)

Uma menina de apenas 8 anos foi baleada e morreu na madrugada deste sábado (21), no Rio de Janeiro. Ágatha Félix foi atingida nas costas por um tiro de fuzil, no Complexo do Alemão. A menina estava dentro de uma Kombi quando foi baleada por um policial. Ela chegou a ser encaminhada para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, mas não resistiu.

A Polícia Militar afirmou que a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) foi alvo de ataques simultâneos e que o confronto teria sido uma reação da polícia. O relato dos moradores, porém, indica que o confronto começou quando a equipe policial abriu fogo contra uma moto que passava no local. A morte de crianças inocentes no Rio de Janeiro por bala perdida e despreparo policial não é incomum. Só em 2019 foram registrados outros quatro casos. Os moradores do Alemão protestam contra a violência policial e a morte de Ágatha:

Leia a nota da Polícia Militar à imprensa:
A Assessoria de Imprensa da Secretaria de Estado de Polícia Militar informa que, por volta das 22h desta sexta-feira, 20/09, equipes policiais da UPP Fazendinha, que estavam baseadas na esquina da Rua Antônio Austragésilo com a Rua Nossa Senhora, foram atacadas de várias localidades da comunidade de forma simultânea. Os policiais revidaram à agressão.

Após o confronto, não foi encontrado feridos na varredura do local. Na sequência, os policias foram informados por populares que um morador teria sido ferido na localidade conhecida como “Estofador”.

Uma equipe da UPP se deslocou até o Hospital Getúlio Vargas e confirmou a entrada de uma criança de 8 anos ferida por disparo de arma de fogo.

A Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP) irá abrir um procedimento apuratório para verificar todas as circunstâncias da ação.