Últimas Notícias > Colunistas > TRF, Lula e Moro

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, disse que espera votar a reforma da Previdência ainda este mês

Maia afirmou que antes estava mais pessimista. (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta segunda-feira (4) que, após as reuniões realizadas em Brasília no final de semana com líderes partidários da base aliada do governo de Michel Temer, espera saber até quarta-feira (6) ou quinta-feira (7) se possui os votos necessários para a votação da reforma da Previdência na próxima semana. A expectativa de Maia é votar o projeto ainda em dezembro.

Maia falou com a imprensa após receber o prêmio de personalidade do ano do VII Prêmio Cebrasse – Central Brasileira do Setor de Serviços, realizado em São Paulo. O presidente da Câmara afirmou ainda que não é o momento de se discutir as eleições de 2018, e minimizou críticas e embates entre o governo e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o PSDB. Segundo Maia, sem o PSDB não se aprova a reforma da Previdência.

“Acho que, no sábado, eu estava pessimista. Agora estou realista, acreditando que é possível [votar na próxima semana]”, disse. “A gente começou a trabalhar as reuniões de ontem. Foram as melhores reuniões que fizemos, um grupo importante de partidos assumiu compromisso importante de trabalhar as suas bancadas. Isso é o que vamos fazer até quarta, quinta-feira, avaliar se temos os votos necessários para reformar a Previdência”, afirmou Maia.

“Eu espero e trabalho por isso [para votar na próxima semana]. E precisamos, de forma definitiva, acabar com estra transferência de renda absurda que o Brasil tem hoje, que os que ganham mais trabalham menos”, afirmou.

“Apenas é para organizar isso. Durante 20 anos, todos trabalham até 65 anos de idade. E que todos os novos servidores e trabalhadores tenham o mesmo sistema previdenciário. É isso que é o correto e que queremos aprovar na Câmara”, acrescentou.

Maia disse que o embate de Henrique Meirelles e o PSDB, antecipando as eleições de 2018, só atrapalha neste momento e que, “sem o PSDB, não temos nenhuma condição de aprovar” a reforma.

“Com todo respeito ao Meirelles, o embate neste momento não colabora, atrapalha. O PSDB é um partido importante, nos ajuda, votou conosco as reformas mais importantes que votamos. Não se deve tratar partido nenhum de forma desrespeitosa. Ninguém. Mas principalmente quem tem convergência ideológica com o nosso tema. Sem o PSDB não temos nenhuma condição de aprovar a Previdência. Se está se trabalhando para se excluir o PSDB, está se trabalhando contra a reforma da Previdência”, defendeu Maia.

“Vamos deixar a eleição para 2018, estamos muito longe. A crise política é muito profunda e qualquer tentativa de tratar a eleição neste momento mais atrapalha o que ajuda”, disse.

Votação

Segundo Maia, com os votos da base aliada e os partidos que participaram da reunião no domingo, o governo acredita ter entre 325 e 330 votos a favor da reforma. Há ainda mais 40 ou 50 votos de partidos que não compõem a base do governo e que não se posicionaram ainda nem contra nem a favor da reforma.

Deixe seu comentário: