Últimas Notícias > CAD1 > Grêmio encerra preparação para a decisão na Copa do Brasil

A Promotoria de Tóquio manteve na prisão o brasileiro Carlos Ghosn, ex-presidente da Nissan

O executivo Carlos Ghosn está preso em Tóquio desde novembro de 2018. (Foto: Reprodução)

A prisão do brasileiro Carlos Ghosn, 64 anos, ex-presidente da Nissan, foi prorrogada por ao menos 48 horas. A medida foi tomada após a Promotoria de Tóquio anunciar nesta sexta-feira (21) a terceira denúncia contra o executivo brasileiro. A decisão de ampliar a prisão pode ser estendida para um período de até dez dias.

Ghosn foi preso em 19 de novembro sob a acusação de ocultar pagamentos milionários e cometer irregularidades fiscais. Na primeira denúncia formal, ele foi acusado de omitir cerca de metade do seu rendimento em um período de cinco anos (2010-2015). Em uma segunda etapa da acusação, o executivo foi denunciado por supostamente cometer o mesmo crime nos últimos três anos.

A terceira acusação, que agora se soma às outras duas anteriores com mandatos de prisão distintos, baseia-se em violação de confiança que poderia ter prejudicado a Nissan Motor. A suspeita é que ele tenha empurrado para a Nissan um prejuízo de US$ 16,6 milhões em investimentos particulares, conforme informação da Reuters.

A justificativa para prorrogar a detenção foi a necessidade de obter mais informações sobre essas novas suspeitas contra o ex-CEO. Nesta sexta-feira, os procuradores fizeram buscas na residência de Ghosn em Tóquio, de acordo com a emissora de TV Asahi.

Posicionamento de Ghosn

Segundo a emissora pública japonesa NHK, o ex-chefe da Nissan prometeu restaurar seu nome no tribunal. “As coisas como estão são absolutamente inaceitáveis”, teria dito Ghosn ao seu advogado. “Eu quero ter minha posição ouvida e restaurar minha honra no tribunal.” O relato divulgado pela NHK é apontado como o primeiro comentário conhecido de Ghosn desde sua prisão.

Denúncias contra o executivo

A detenção de Ghosn foi consequência de uma investigação interna da Nissan. Quando as denúncias foram divulgadas, Ghosn era presidente do conselho da montadora e presidia a aliança Renault-Nissan-Mitsubishi.

Em 10 de dezembro, ele foi acusado pelos procuradores de ter omitido quase 5 bilhões de ienes (US$ 44 milhões) em suas declarações de renda às autoridades. Os valores teriam sido ocultados em prestações de contas feitas no período entre 2010 e 2015. Greg Kelly, seu auxiliar direto, também foi acusado.

Posteriormente, a detenção dos dois executivos foi prorrogada por suspeita de dissimulação de renda em outros três anos, que alcançam mais 4 bilhões de ienes (US$ 35 milhões) sonegados.

Liderança das empresas

Depois do escândalo, o executivo foi destituído da presidência da Mitsubishi Motors, mas a Renault decidiu mantê-lo em seu cargo, uma situação que gerou uma crise na aliança entre as montadoras. Na segunda-feira (17), a Nissan não conseguiu designar um substituto para o executivo. Ghosn foi presidente da Nissan entre 2001 e 2017. A aliança Renault-Nissan nasceu em 1999. Em 2016, com a entrada da Mitsubishi Motors, se tornou o maior grupo mundial do setor automobilístico.

Deixe seu comentário: