Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Um ministro do Tribunal Superior Eleitoral negou o pedido de um cidadão para que a eleição presidencial fosse adiada até que Bolsonaro se recupere

As vendas dos supermercados puxaram a alta do comércio brasileiro em janeiro

(Foto: Divulgação)

O comércio varejista brasileiro cresceu 0,9% em janeiro na comparação com dezembro (com ajuste sazonal), de acordo com dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta terça-feira (13).

A alta foi beneficiada por hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, que subiu 2,3%, junto de artigos de uso pessoal e doméstico (6,8%). Os dois segmentos compensaram as quedas no mês anterior, de 1,7% e 7,2%, respectivamente.

Na comparação com janeiro de 2017 (sem ajuste), o volume de vendas do comércio avançou 3,2%, a décima taxa positiva seguida. Já no acumulado de 12 meses, o comércio cresceu 2,5%, a maior alta desde novembro de 2014, quando houve crescimento de 2,6%.

O IBGE revisou os dados do comércio de dezembro. Ao contrário do recuo de 1,5% ante novembro, conforme divulgado anteriormente, a queda foi de 0,5%. De acordo com a gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE, Isabella Nunes, o órgão revisou dados primários, além do ajuste de informações. Em 2017, o varejo brasileiro cresceu 2%, após dois anos de fortes quedas. O resultado foi influenciado pelas vendas de móveis e eletrodomésticos, que voltaram a aumentar com a queda das taxas de juros.

Veja o resultado das vendas do varejo por segmento em janeiro: supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (2,3%); artigos de uso pessoal e doméstico (6,8%); equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (3,7%); tecidos, vestuário e calçados (0,9%); livros, jornais, revistas e papelarias (0,3%); artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (-2,5%); móveis e eletrodomésticos (-2,3%); e combustíveis e lubrificantes (-0,3%).

Varejo ampliado

O volume de vendas do comércio varejista ampliado, que inclui também as atividades de veículos, motos, partes e peças e material de construção, recuou 0,1% ante dezembro de 2017, após a queda de 0,4% no último mês do ano passado.

Frente a janeiro de 2017, o varejo ampliado subiu 6,5%, nona taxa positiva seguida. O acumulado em 12 meses subiu 4,6% em janeiro, maior variação positiva desde setembro de 2013 (4,9%), mantendo a trajetória de alta iniciada em julho de 2016.

Estados

Na passagem de dezembro de 2017 para janeiro de 2018, na série com ajuste sazonal, as vendas no comércio varejista brasileiro avançaram em 19 das 27 unidades da Federação, com destaque, em termos de magnitude de taxa, para Roraima (8,6%), Amapá (8,4%) e Rio Grande do Norte (7,6%). O Piauí registrou estabilidade (0%). Por outro lado, Espírito Santo (-2,9%) e Goiás (-2,1%) mostraram os maiores recuos nas vendas nessa comparação.

Frente a janeiro de 2017, na série original, o comércio varejista registrou aumento no volume de vendas em 19 das 27 unidades da Federação, com destaque positivo, em termos de magnitude de taxa para Rondônia (18,2%), Santa Catarina (15,5%) e Roraima (14,5%). Por outro lado, Goiás (-9,2%) figura com a taxa negativa mais elevada dentre todas as unidades da Federação. Quanto à participação na composição da taxa positiva do varejo, destacaram-se Santa Catarina (15,5%), São Paulo (2,0%) e Rio Grande do Sul (7,2%).

Deixe seu comentário: