Home > Atividades Empresariais > SEBRAE utiliza websérie como ferramenta de capacitação para o agronegócio

Associações criticam maneira como a PF divulgou resultados da operação

Segundo entidades, generalização prejudica o setor e pode comprometer a imagem da carne brasileira (Foto: Jackson Ciceri/ O Sul)

A Abiec (Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne) e a ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal) criticaram nesta segunda-feira (20) a maneira como a PF (Polícia Federal) divulgou os resultados da Operação Carne Fraca.

Para os representantes das associações, a comunicação da operação foi feita de maneira equivocada e prejudica o setor. “A comunicação ensejou tudo isso”, disse Francisco Turra, da ABPA. “Passou uma imagem generalizada de que tudo no Brasil é ruim, e não é isso.”

Durante coletiva de imprensa nesta segunda-feira, os representando do setor procuraram mostrar que os problemas foram pontuais, localizados, de forma a evitar que a imagem da carne brasileira seja prejudicada.

“A generalização é um caos, é catastrófica, não pode existir nunca, porque destrói a imagem do produto e do País”, afirmou Turra. “Se a gente não tiver interesse pelo emprego, pelo agro, bom, aí, que bom, vamos generalizar. Vamos chegar, ó: um saco de soja no Mato Grosso colhido com uma proteína nociva à saúde, produção brasileira toda contaminada. É isso? Não. Pelo amor de Deus”.

Unidades suspensas

As associações informaram que cinco plantas tiveram sua capacidade de produzir e exportar suspensas de forma preventiva após o início da operação. Desse total, uma é de bovino, e as outras, de aves, suínos e equídeos.

Segundo representantes das associações, dessas empresas com certificação suspensa, quatro estão impedidas de exportar para a União Europeia. Além disso, uma delas exporta para Hong Kong.

As plantas tiveram a suspensão das certificações, o que significa que não podem operar nem no mercado interno nem no externo. As associações não informaram o nome das empresas envolvidas nessas suspensões.

Seis das 21 unidades investigadas na Operação Carna Fraca exportaram nos últimos 60 dias, afirmou o presidente Michel Temer, no domingo (19), sem dizer os países para os quais se deu a exportação. (AG)

Comentários