Últimas Notícias > Colunistas > Governo federal vai colocar em dia pagamentos de obras no RS

Atentado no Sri Lanka: número de mortos sobe para 290

Outras 500 pessoas estão feridas após os atentados contra igrejas e hotéis. (Foto: Reuters/Dinuka Liyanawatte)

Segundo informações da polícia, o número de mortos nos atentados no Sri Lanka subiu para 290 e cerca de 500 pessoas estão feridas. Três igrejas foram alvos dos ataques, que aconteceram durante as missas de Páscoa. Os hotéis cinco-estrelas Shangri-La, Kingsbury, Cinnamon Grand e um quarto hotel, todos em Colombo, também foram atingidos. Houve ainda uma explosão num complexo de casas. Os atentados foram registrados na capital, Colombo, e nas regiões de Katana e Batticaloa por volta das 8h45 (0h15, no horário de Brasília).

Até o momento, nenhum grupo reivindicou autoria das ações, mas pelo menos 24 pessoas já foram detidas. As autoridades do Sri Lanka temem por trás dos ataques estejam militantes do Estado Islâmico que retornaram do Oriente Médio.

Ainda neste domingo (21), a Força Aérea do país disse ter encontrado mais um explosivo caseiro, que foi removido, em uma área próxima ao principal aeroporto de Colombo. Outras duas explosões foram registradas durante buscas da polícia por suspeitos: uma perto do zoológico, no sul de Colombo, e outra no distrito de Dematagoda, resultando na morte de três policiais.

Bloqueio de redes sociais

O governo do Sri Lanka bloqueou o uso de redes sociais após os ataques. Estão fora do ar Facebook, WhatsApp, Instagram, YouTube, Viber, Snapchat e Facebook Messenger, de acordo com a rede de monitoramento NetBlocks.

Autoridades disseram no domingo que iriam bloquear temporariamente as redes para evitar a disseminação de notícias falsas e acalmar tensões durante o período de investigações. Elas temem que boatos alimentem discursos de ódio e gerem mais violência. O governo também impôs um toque de recolher das 18h às 6h (horário local).

Segundo a Netblocks, esta não é a primeira vez que o governo do Sri Lanka bloqueia redes sociais – isso também aconteceu durante episódios de violência registrados em março de 2018. Ainda de acordo com a rede, muitas pessoas reclamam porque, sem acesso às redes sociais, não conseguem obter informações sobre parentes e amigos para saber se estes estão bem após os ataques.

Deixe seu comentário: