Últimas Notícias > Notícias > Brasil > O embate entre setores do Ministério Público e do Supremo alcançou um novo patamar após a revelação de que o presidente da Corte solicitou dados de relatórios feitos pelo Coaf e pela Receita Federal

Bolsonaro chora em cerimônia ao ouvir discurso sobre facada

Saúde e possibilidade de protestos dividem auxiliares e familiares sobre viagem de Bolsonaro. (Foto: Fábio Rodrigues/Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro chorou nesta sexta-feira (06) durante uma cerimônia no Palácio do Planalto ao ser lembrado sobre o aniversário de um ano do atentado à faca que sofreu no ano passado, em Juiz de Fora (MG), durante a campanha eleitoral. Bolsonaro se emocionou durante um discurso do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que descreveu o momento como “muito duro e muito difícil”.

“Há um ano, nós vivemos um momento muito duro e muito difícil para todos nós. Então, antes de qualquer coisa, eu quero agradecer a Deus, porque naquele dia, de 6 de setembro do ano passado, ele protegeu a vida do então candidato Jair Messias Bolsonaro, para trazê-lo com a sua benção e com a sua luz, para promover coisas como nós estamos fazendo hoje. Obrigado, meu Deus”, disse Onyx, no início de sua fala no evento de lançamento da carteira estudantil digital.

Sob aplausos dos presentes, Bolsonaro permaneceu quieto, mas visivelmente emocionado, e fez gestos de agradecimento. Não foi a única lembrança do atentado durante o dia. Pela manhã, ao sair do Palácio da Alvorada, o presidente disse que era seu “aniversário” porque ele nasceu em Juiz de Fora no ano passado, e ouviu um “Parabéns para você” dos apoiadores que estavam ali.

“Hoje é meu aniversário. Nasci em Juiz de Fora, faz um ano. Muito obrigado, Santa Casa de Juiz de Fora. Estou vivo, graças a Deus, dirigindo, com a graça de Deus, essa nação”. Depois, em outro cerimônia no Planato, de assinatura de contratos de concessão de aeroportos, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, também lembrou da facada.

“Nada melhor do que assinar este contrato no dia do segundo aniversário do nosso presidente Jair Bolsonaro”, disse Tarcísio. Em seguida, no seu discurso, Bolsonaro agradeceu a menção e disse que se tratava de um “dia especial. “É um dia especial, sim. Poucos podem viver, como estou vivendo, o primeiro ano de vida. Nasci novamente em Juiz de Fora. Quis o destino que, por uma série de fatores que só Deus explica, eu tenha sobrevivido e depois, chegado à Presidência”.

Por fim, após a cerimônia da carteira digital, o pastor José Carlos Ayres Ângelo comandou uma oração por Bolsonaro no mesmo local onde havia ocorrido o evento. Bolsonaro já havia saído, mas continuavam ali aliados, como os deputados federais Hélio Bolsonaro (PSL-RJ) e Carla Zambelli (PSL-SP). Ângelo contou que já fez vigílias na Praça dos Três Poderes pelos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (MDB).

“Muito obrigado, Deus, porque um ano trás havia uma dúvida sobre a vida dele, e a vida dele foi salva pelo teu poder. O senhor não o livrou da faca, porque o senhor também não livrou Daniel da cova, mas o senhor o livrou da morte, o trazendo à vida, para que a vida dele seja uma benção para a nação brasileira”, disse o pastor.