Últimas Notícias > Colunistas > Fatos históricos do dia 16 de julho

Bolsonaro dribla a imprensa para ter uma manhã livre em Washington e seus ministros vão a reuniões de trabalho

Primeiro, presidente foi à CIA acompanhado de um dos filhos e de Moro, depois, aproveitou para "relaxar". (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Na manhã desta segunda-feira, o presidente Jair Bolsonaro driblou a imprensa para uma manhã livre pela capital dos Estados Unidos. Sem divulgar na agenda oficial, ele saiu antes das 8 horas da manhã da Blair House, onde está hospedado, para uma visita à CIA, agência de inteligência americana, onde o acesso não é permitido aos jornalistas. Lá, esteve acompanhado pelo filho, o deputado Eduardo Bolsonaro, e pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro.

Depois disso, o presidente passou mais de duas horas fora da residência oficial de hóspedes da Casa Branca, sem Eduardo e sem Moro. Ele estava acompanhado pelos seguranças da presidência. A assessoria informou apenas que Bolsonaro estava em agenda “privada”.

Segundo auxiliares, Bolsonaro teria aproveitado para “relaxar”. “Coisa que ele não consegue fazer no Brasil”, afirmou um dos integrantes da comitiva. Bolsonaro teria pedido o tempo livre desde o início do esboço da viagem, segundo uma das pessoas envolvidas na organização da vinda do presidente brasileiro aos Estados Unidos.

Encontro com Trump

Bolsonaro e o presidente norte-americano Donald Trump devem assinar nesta terça-feira (19) o Acordo de Salvaguardas Tecnológicas entre o Brasil e os Estados Unidos. A medida vai permitir o uso comercial da base de lançamentos aeroespaciais de Alcântara, no Maranhão. Estima-se que, em todo o mundo, ocorra uma média de 42 lançamentos comerciais de satélites por ano.

A Base de Alcântara é reconhecida internacionalmente como ponto estratégico para o lançamento de foguetes, por estar localizada em latitude privilegiada na zona equatorial, o que permite uso máximo da rotação da Terra para impulsionar os lançamentos.

Segundo a Agência Espacial Brasileira (AEB), o uso da base brasileira pode significar uma redução de 30% na utilização de combustível, em comparação a outros locais de lançamentos em latitudes mais elevadas.

Integram a comitiva brasileira os ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Paulo Guedes (Economia), Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Tereza Cristina (Agricultura) e Ricardo Salles (Meio Ambiente), além do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Deixe seu comentário: