Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Dias Toffoli diz em palestra que liberdade de expressão não pode alimentar desinformação

Brasil sai de Unasul para fazer parte do Prosul

Ministro das Relações Exteriores oficializa saída do Brasil da Unasul. (Foto: Reprodução/ Agência Brasil)

Pelo Twitter, o presidente Jair Bolsonaro confirmou que foram assinados os documentos que atestam a saída do Brasil da União das Nações Sul-Americanas (Unasul) para, em sua vez,integrar o Fórum para o Progresso da América do Sul (Prosul). A informação foi oficializada ontem (15) pelo Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, ao governo do Equador, que detém o tratado da Unasul. Pelas regras da União, o Brasil ainda precisa se manter por mais seis meses no órgão. “Em abril de 2018, os governos do Brasil, da Argentina, do Chile, da Colômbia, do Paraguai e do Peru decidiram de forma conjunta suspender a sua participação da Unasul em função da prolongada crise no organismo, quadro que, desde então, não se alterou”, declarou o Itamaraty.

A criação do Prosul foi oficializada dia 22 de março deste ano em Santiago, no Chile. A Declaração de Santiago foi assinada por oito países sul-americanos – Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai e Peru. Para participar do Fórum, as nações tem de estar em um governo democrático, com respeito à separação dos poderes do Estado, à liberdade, aos direitos humanos, à soberania e à integridade territorial. A proposta do Prosul foi idealizada pelo presidente chinelo, Sebastian Piñera, e pretende ter um formato mais flexível, enxuto, dedicado as iniciativas para desenvolvimento da região, além de menos custoso. Os países que assinaram a declaração sobre o Prosul entendem que a Unasul perdeu seus efeitos práticos, sendo custosa e passando a disputar temas que já são tratados em outras instâncias, como o Mercosul. O Prosul não será um organismo como é a Unasul.

 

Deixe seu comentário: