Home > Notícias > Brasil > A reunião do Comitê de Política Monetária na quarta-feira aposta na manutenção do ritmo de queda da Selic, hoje em 11,25% ao ano, em 1 ponto percentual

Brasília dá o torniquete

"Temos a nossa moeda valorizando, bolsa de valores subindo. Tudo isso está dando base para a economia voltar a crescer", disse Meirelles. (Foto: Reprodução)

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, ajudou o governador José Sartori ao anunciar ontem: o caixa da União só vai se abrir para os Estados que se submeterem ao plano de recuperação fiscal. Significa cumprir obrigações como a privatização de companhias de energia ou saneamento e a elevação da contribuição previdenciária dos servidores públicos. Os Estados que não aceitarem a regra do jogo encontrarão a porta fechada.
A mensagem tira dos ombros de Sartori o peso de defender isoladamente medidas mais rigorosas que a Assembleia Legislativa terá de votar. Como dono da chave do cofre, Meirelles ressuscita o velho ditado: manda quem pode, obedece quem precisa.

EXTINTOR DE INCÊNDIO

Reunião de mais de uma hora no Palácio do Planalto, ontem, tratou da reforma política. Michel Temer quis ouvir os presidentes do Senado, Eunício Oliveira, e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.
Manobra para tirar o foco da lista de Janot.

DERRUBANDO BARREIRAS

Jairo Jorge, ex-prefeito de Canoas, soube resistir a algumas manifestações nada amistosas na primeira reunião que teve com o PDT. Aos poucos, acalmou os companheiros, lembrando que deu o nome de Leonel Brizola a uma escola em Canoas, muito antes de cogitar sua saída do PT.
José Fortunati enfrentou a mesma dificuldade quando entrou no PDT em 2002.

CONHECE

Há setores do PDT convictos de que o deputado estadual Enio Bacci é o melhor candidato ao governo do Estado. Com cinco mandatos de deputado federal, tornou-se defensor de medidas fortes na área da segurança pública. Consideram que seu perfil se enquadra dentro da expectativa dos eleitores.

BOA INICIATIVA

Piquetes do Interior cogitam fazer uma cavalgada a Brasília em apoio às reivindicações do governo estadual: negociação da dívida com a União e pagamento da Lei Kandir. O plano é amarrar os cavalos na frente do Palácio do Planalto e ganhar espaços na mídia nacional.

ILHA DA FANTASIA

Dos 3 mil e 124 servidores efetivos da Câmara dos Deputados, 1 mil e 719 acumulam funções gratificadas. O exagero se expressa nestes dados: muitos são chefes de si próprios e outros, mesmo em estágio probatório, já acumulam o acréscimo salarial.

ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA

No dia 30 deste mês, vão se completar 23 anos da saída de Fernando Henrique Cardoso do Ministério da Fazenda para concorrer ao Palácio do Planalto. Ao assumir o cargo em maio de 1993, as críticas ao presidente Itamar Franco foram muito fortes. Perguntavam como um sociólogo poderia conduzir a política monetária. Na posse, Fernando Henrique declarou que “era preciso parar de coçar a urticária da inflação descontrolada e fazer alguma coisa”. Em menos de um ano, pôs em andamento o bem sucedido Plano Real, ainda que sob os olhares desconfiados da oposição.

RÁPIDAS

* O DEM sonha com a chapa Onyx Lorenzoni para o governo do Estado; Ana Amélia Lemos e Beto Albuquerque ao Senado.

* Time de políticos mergulha no vale-tudo para se salvar.

* O economista João Sayad tem uma frase famosa: “A inflação é burra.” Só os banqueiros discordam, porque seus lucros se multiplicam.

* Houve tempo em que, no orçamento do Estado, ficavam garantidos recursos próprios para investimentos. Hoje, nada.

* De tanto assinar Letras do Tesouro, o ministro Henrique Meirelles concorrerá a uma vaga na Academia Brasileira dos Escritores.

Comentários