Home > Notícias > Brasil > Gilmar Mendes manda soltar outros 4 presos na Operação Ponto Final

Centenas de imigrantes estão deixando diariamente os Estados Unidos em direção ao Canadá

Grande parte dos refugiados é de haitianos que já viviam nos EUA. (Foto: AP)

Com a introdução de restrições à permanência de imigrantes nos Estados Unidos sob o governo de Donald Trump, centenas de estrangeiros têm se dirigido ao vizinho do norte, o Canadá, em busca de asilo político ou refúgio. Desde janeiro, mais de 4.300 pessoas pediram asilo no país.

A maioria teve o pedido negado nos EUA e vê o Canadá como “segunda chance” para um futuro fora de suas nações – muitas delas, palco de conflitos ou de desastres naturais.

Por causa do grande fluxo de recém-chegados dos EUA, o governo canadense disponibilizou o Estádio Olímpico de Montreal para servir de abrigo.

Além disso, o governo canadense está construindo um acampamento em Quebec, com capacidade para cerca de 500 pessoas.

“Eu morei por seis anos nos EUA, mas não tinha permissão para trabalhar ou estudar”, contou à BBC Louinel Chery, imigrante haitiano que cruzava a fronteira com o Canadá.

Mas a política de imigração do Canadá não é tão receptiva quanto parece, comenta Marjorie Villefranche, diretora da ONG La Maison d’Haiti.

“As pessoas têm esperança de que as coisas serão melhores para elas e que algo vai acontecer que vai garantir sua permanência”, explica.

“Mas é um longo e difícil processo provar que você é realmente um solicitante de asilo, e o risco de serem mandados embora é muito grande aqui também”.

Ela também ressaltou que pessoas têm se iludido com notícias falsas nas redes sociais sobre a facilidade de entrada no país.

Foi o que aconteceu com um dos solicitantes de asilo entrevistados pela reportagem. “Vimos no Facebook que o Canadá estava aberto e aceitariam haitianos, então nós viemos”, comentou um homem que preferiu ficar anônimo.

A maioria dos que cruzam a fronteira ilegalmente é detida pela Polícia Montada do Canadá e outras forças de segurança.

Enquanto isto, o primeiro-ministro, Justin Trudeau, tem sido pressionado para reforçar a fronteira canadense em meio a preocupações de aumento do fluxo de imigrantes.

Abrigo para refugiados

O exército de Canadá começou a instalar tendas nesta quarta-feira (9) perto de sua fronteira para dar apoio à onda de refugiados haitianos que estão chegando ao país com medo de serem expulsos dos Estados Unidos.

As tendas na cidade de Saint-Bernard-de-Lacolle, a 60 quilômetros ao sul de Montreal, têm energia elétrica e sistema de calefação. Elas vão acomodar temporariamente até 500 refugiados, disse o Exército em um comunicado.

A medida foi adotada após uma reunião do chanceler haitiano, Antonio Rodrigue, e a ministra para os haitianos morando no exterior, Stephanie Auguste, com a responsável de Imigração do Quebec, Kathleen Weil, para discutir o fenômeno e as necessidades dos solicitantes de refúgio do país chegando ao Canadá.

Muitos desses refugiados já moram há anos nos Estados Unidos, mas temem ser expulsos após o presidente Donald Trump anunciar que não vai estender o visto temporário que tinha sido concedido a 60 mil haitianos, afetados por um devastador terremoto na ilha em 2010. Esse status especial vai expirar no fim deste ano.

Desde julho, mais de 2.500 haitianos saíram dos Estados Unidos e buscaram refúgio no Canadá, cruzando à pé a fronteira com a província francófona do Quebec.

O estádio olímpico de Montreal está sendo usado para alojar alguns dos recém-chegados e um hospital fechado será reaberto para acomodar mais refugiados. (AG)

Comentários