Últimas Notícias > Notas Capital > Travessa dos Cataventos tem Feira do Vinil neste sábado

Cereais matinais vendidos nos Estados Unidos têm níveis de glifosato acima do permitido

De acordo com a ONG Environmental Work Group, os alimentos comercializados por 20 marcas apresentaram níveis cinco vezes acima do considerado seguro. (Foto: Divulgação)

Vinte marcas de cereais matinais comercializadas nos Estados Unidos estão contaminadas com glifosato em níveis mais altos do que o permitido para crianças, segundo pesquisa feita pela ONG EWG (Environmental Work Group).

O glifosato é um agrotóxico alvo de ações judiciais sob a acusação de ser cancerígeno, estando ligado a alguns casos da doença pelo mundo. Atualmente, é considerado o agrotóxico mais vendido no mundo.

O instituto analisou 300 gramas de cada produto para determinar os níveis de glifosato nos alimentos. Dos 21 produtos estudados, 20 apresentaram níveis mais altos de contaminação do que os limites estabelecidos pela EPA (Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos).

Na marca em que foram verificados os níveis mais altos de glifosato, a medição apontou 833 partes por bilhão (ppb). Segundo a entidade, o número aceitável para o consumo infantil é de 160 ppb.
De acordo com o estudo, nos cereais, o glifosato é pulverizado na aveia pouco antes da colheita e age como um agente de secagem ou dessecante. Ou seja, ele faz com que o aveia possa ser colhida mais cedo que o normal.

Empresa defende o agrotóxico

Segundo a Monsanto – que hoje pertence a Bayer – o glifosato é o agrotóxico mais usado do mundo. Somente no Brasil, são 110 produtos comercializados com o glifosato. Através de seu site oficial, a Monsanto nega que o princípio ativo possa causar câncer e ainda afirma que o “glifosato inibe uma enzima que é essencial para o crescimento das plantas, mas que não é encontrada em seres humanos, o que contribui para o baixo risco à saúde”.

Segundo a empresa, “estudos mostram que, em caso de exposição, o glifosato é rapidamente eliminado do organismo pela urina”. A Monsanto também nega que o herbicida causa autismo e microcefalia em bebês.

O embate em torno dos perigos do uso glifosato entre instituições como a Environmental Work Group e o setor agropecuário tem estado cada vez mais em evidência no últimos anos por causa de recentes reavaliações de agências reguladoras. Segundo a avaliação feita em 2015 pela IARC (Agência Internacional para Pesquisa do Câncer), que é ligada à OMS (Organização Mundial da Saúde), o produto é um “provável causador” de câncer.

Entretanto, em 2016, a EFSA (Agência Reguladora Europeia) descreveu o produto como “seguro para saúde humana”, desde que os resíduos nos alimento sejam baixos. No Brasil, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) reavaliou recentemente o produto e o afirmou que ele “não apresenta características mutagênicas e carcinogênicas”.

Deixe seu comentário: