Últimas Notícias > Notícias > O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul decidiu que a reserva de cotas raciais é válida para o número total de vagas preenchidas em um concurso da Brigada Militar

Chico Buarque vence Prêmio Camões, mais prestigiada premiação da língua portuguesa

Cantor e escritor brasileiro levou 100 mil euros ao vencer um dos prêmios mais importantes da literatura de língua portuguesa, dado pelos governos de Portugal e do Brasil. (Foto: Leo Aversa/Divulgação)

Chico Buarque foi escolhido o vencedor do Prêmio Camões 2019, nesta terça-feira (21). O Camões foi criado em 1988 e é considerado o principal prêmio da literatura em língua portuguesa. Chico é o 13º brasileiro a levar a honraria, que premia escritores pelo conjunto da obra com 100.000 euros.

O vencedor foi escolhido por uma equipe de seis jurados indicados pela Biblioteca Nacional do Brasil, pelo Ministério da Cultura de Portugal e pela comunidade africana. São eles os portugueses Clara Rowland e Manuel Frias Martins, os brasileiros Antonio Cicero Correia Lima e Antônio Carlos Hohlfeldt, a angolana Ana Paula Tavares e o moçambicano Nataniel Ngomane.

Chico Buarque já venceu o Jabuti, principal prêmio literário brasileiro, três vezes: em 2010, por Leite Derramado; em 2006, por Budapeste; e em 1992, por Estorvo. Chico também já escreveu peças de teatro, como Roda Viva, Gota d’Água, Calabar e Ópera do Malandro.

Ainda não há previsão para data da cerimônia de entrega do prêmio. “Fiquei muito feliz e honrado de seguir os passos de Raduan Nassar”, afirmou Chico Buarque em nota, em referência ao último vencedor brasileiro. O autor de “Lavoura arcaica” e de “Um copo de cólera” foi reconhecido em 2016.

Instituído em 1988, o Prêmio Camões de Literatura tem o objetivo de reconhecer um autor de língua portuguesa que tenha “contribuído para o enriquecimento do patrimônio literário e cultural” do idioma através de seu conjunto da obra.

O prêmio

O primeiro vencedor do Prêmio Camões foi o escritor português Miguel Torga (1907-1995), em 1989. O primeiro brasileiro a ser eleito foi João Cabral de Melo Neto (1920-1999), no ano seguinte. Em 1991, o moçambicano José Craveirinha (1922-2003) se tornou o primeiro escritor africano a receber a premiação. Já a primeira mulher foi a brasileira Rachel de Queiroz (1910-2003), em 1993.

Ao todo, um angolano, dois cabo-verdenses, dois moçambicanos, doze portugueses e doze brasileiros receberam a honraria. Em 2006, o luso-angolano José Luandino Vieira se tornaria o segundo representante de Angola, depois de Pepetela, a ganhar o Camões, mas recusou o prêmio por, na época, estar há trinta anos sem escrever.

O último brasileiro a vencer o Prêmio Camões foi Raduan Nassar, autor de clássicos como Lavoura Arcaica e Um Copo de Cólera, eleito em 2016. Além dele, os brasileiros ganhadores do Camões são: João Cabral de Melo Neto (1990), Rachel de Queiroz (1993), Jorge Amado (1994), Antonio Candido (1998), Autran Dourado (2000), Rubem Fonseca (2003), Lygia Fagundes Telles (2005), João Ubaldo Ribeiro (2008), Ferreira Gullar (2010), Dalton Trevisan (2012) e Alberto da Costa e Silva (2014).

Deixe seu comentário: