Home > Colunistas > Armando Burd > Questão de escolha

Cientistas detectam pó interestelar de uma das galáxias mais distantes

Equipe estima que a A2744_YD4 tem uma quantidade de pó equivalente a 6 milhões de vezes a massa do Sol. (Foto: Reprodução)

Uma equipe internacional de cientistas detectou o pó interestelar da galáxia A2744_YD4, que é uma das mais distantes conhecidas, em uma pesquisa que traz luz sobre o ciclo de vida das primeiras estrelas do Universo.

O pó cósmico é composto de silício, carbono e alumínio, com grãos tão pequenos como um milionésimo de centímetro, e consiste de partículas que se formam no interior das estrelas que, quando morrem, as dispersam pelo espaço, especialmente ao explodirem como supernovas, a última fase das estrelas massivas.

Na atualidade, esse pó é abundante e vital para a formação de estrelas, planetas e moléculas complexas, mas existia em pouca quantidade no início do Universo, antes da morte das primeiras estrelas, explicou o IAC (Instituto de Astrofísica das Ilhas Canárias), na Espanha, em comunicado de imprensa.

A descoberta foi feita através do telescópio ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array), no Chile, e o estudo publicado na revista especializada “The Astrophysical Journal Letters” foi dirigido por Nicolas Laporte, astrônomo da UCL (University College London), no Reino Unido.

A galáxia A2744_YD4 não é apenas a mais distante observada pelo ALMA, mas, além disso, a detecção de tanto pó indica que supernovas anteriores devem tê-la contaminado previamente, segundo Laporte, que acrescentou que esta observação é também a detecção mais distante de oxigênio no Universo.

O pó cósmico encontrado na 2744_YD4 foi observado apontando o telescópio em direção a um conjunto de galáxias denominado Abell 2744, que serviu como uma lente gravitacional.

Devido a esse fenômeno, o conjunto de galaxias funciona como um telescópio gigante que magnifica em cerca de 1,8 vezes a galáxia A2777_YD4 e permite observar ainda mais longe, ou seja, antes no tempo.

As observações posteriores foram realizadas com o telescópio VLT (Very Large Telescope), no Chile, e confirmaram a grande distância em que está A2744_YD4, quando o Universo tinha apenas 600 milhões de anos e as primeiras estrelas e galáxias estavam se formando.

Também foram utilizadas imagens obtidas com o Telescópio Espacial Spitzer, para calcular o desvio para o vermelho aproximado (a partir do qual se pode determinar a distância em que se encontra a galáxia) inclusive antes de obter seu espectro, afirmou Alina Streblyanska, astrônoma do IAC.

A detecção de pó desta época tão primordial revela novas pistas do momento em que as primeiras estrelas explodiram como supernovas e inundaram o cosmos de luz, e calcular este “despertar cósmico” é um dos “Santos Graais” da astronomia moderna, de acordo com os pesquisadores.

A equipe estimou que A2744_YD4 tem uma quantidade de pó equivalente a 6 milhões de vezes a massa do Sol, enquanto todas as suas estrelas equivalem a 2 bilhões de massas solares.

Também puderam medir a taxa de formação estelar e descobriram que as estrelas estão se formando a um ritmo de 20 massas solares por ano, muito rápido se comparado com uma massa solar por ano na Via Láctea.

Essa velocidade não é incomum em uma galáxia tão distante, mas ajuda a saber a que ritmo o pó se formou nela, comentou o coautor do estudo Richard Ellis, astrônomo do  ESO (European Southern Observatory) e da UCL.

O tempo que leva este processo é de cerca de 200 milhões de anos, portanto se a 2744_YD4 observada está pouco depois de sua formação, então as estrelas começaram a se formar aproximadamente 200 milhões de anos antes da luz observada agora, acrescentaram os cientistas.

Assim, abre-se uma grande oportunidade para que o ALMA e outros grandes telescópios comecem a explorar a época mais antiga possível, na qual surgiram as primeiras estrelas e galáxias do Universo.

Comentários

Notícias Relacionadas: