Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Bolsonaro defende juntar os ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente e se diz preocupado com questões ambientais

Confidente da ex-presidente sul-coreana é condenada a 20 anos de prisão

Choi Soon-sil (C), de 61 anos, é filha de um misterioso líder religioso. (Foto: Reprodução)

A amiga e confidente da ex-presidente sul-coreana Park Geun-hye, no centro do escândalo de corrupção que precipitou sua queda, foi condenada nesta terça-feira (13) a 20 anos de prisão. Choi Soon-sil, de 61 anos, é filha de um misterioso líder religioso. Ela foi por décadas amiga íntima de Park, ao ponto de ser apelidada de “Rasputina” pela imprensa local pela influência que exercia sobre a ex-presidente.

Quando o escândalo de corrupção veio à tona em 2016 na quarta economia da Ásia, foi apontada pelos manifestantes que pediam a saída da presidente como a principal vilã. O caso terminou com a destituição de Park em março de 2017.

O Tribunal do Distrito Central de Seul considerou Choi culpada de abuso de poder, corrupção e interferência nas decisões do governo. Esta condenação poderia ser um preâmbulo do julgamento de Park. Quinze das 18 acusações contra Choi são semelhantes às acusações contra a ex-presidente.

Choi teria tirado proveito de “sua relação pessoal” com a ex-chefe de Estado para forçar grandes grupos econômicos a pagar altas somas para fundações sob seu controle, apontou o juiz Kim Se-yoon. No total, ela teria recebido 14 bilhões de wons (10,5 milhões de euros) da Samsung, o maior conglomerado da Coreia do Sul, e da Lotte, uma gigante de varejo. Além disso, “entrometeu-se em vários assuntos de Estado”, acrescentou o magistrado.

“Crueldade” 

Choi não tinha nem título nem autorização de segurança, o que não a impedia de se intrometer em decisões políticas, como na nomeação de ministros ou embaixadores, e de reescrever discursos presidenciais.

“Dada a extensão dos ganhos materiais obtidos pela acusada, da intromissão nos assuntos públicos resultantes de seus crimes e da frustração da população, sua culpa é pesada”, afirmou o juiz, observando que ela não mostrou nenhum sinal de arrependimento. Choi, vestida com um anorak azul escuro com um crachá com seu número, quase não reagiu ao ouvir a sentença. A acusação havia solicitado uma pena de 25 anos de prisão contra a amiga secreta, “alfa e ômega do escândalo”.

Um co-réu, Shin Dong-bin, presidente da Lotte, o quinto “chaebol” sul-coreano, como são chamados os conglomerados familiares da Coreia do Sul, foi condenado a dois anos e meio de prisão. Ele compareceu ao tribunal livre e um mandado foi entregue na audiência.

Outro co-acusado, Ahn Jong-beom, ex-conselheiro de Park, foi condenado a seis anos de prisão. Choi negou todas as acusações, explicando que nunca procurou obter benefícios pessoais e que estava tentando ajudar Park em seu trabalho. Ela também acusou o promotor do caso de tê-la “pego em uma armadilha”. Seu advogado, Lee Kyung-jae, anunciou sua intenção de recorrer, denunciando uma “sentença pesada até o limite da crueldade”.

Em um contexto de crescente frustração econômica e social, Park foi destituída em dezembro de 2016 pela Assembleia Nacional, uma decisão confirmada três meses depois pelo Tribunal Constitucional. Isso permitiu, ao mesmo tempo, o levantamento de sua imunidade presidencial, sua detenção em prisão preventiva e sua acusação.

O escândalo expôs as conexões insalubres entre as elites políticas e econômicas do país. Os chaebols são os motores de uma economia sul-coreana florescente. Grupos como Samsung e Hyundai desempenharam um papel crucial no “milagre” econômico das décadas de 1960 e 1970 que transformou o país devastado pela guerra.

 

Deixe seu comentário: