Últimas Notícias > Capa – Magazine > Ospa apresenta nova versão de “Orfeu e Eurídice” no Theatro São Pedro

Saiba como proteger a pele na estação mais fria do ano

Um dos perigos do inverno para a pele é o hábito de tomar banhos muito quentes. (Foto: Reprodução de internet)

Pele ressecada, lábios rachados e vermelhidão por todo o corpo. Problemas como esses são comuns quando a temperatura começa a cair e o corpo reage, pedindo por atenção redobrada. Em casos mais graves, esses problemas evoluem para doenças como a psoríase, os eczemas e a dermatite atópica, enfermidades que podem causar coceiras, lesões, vermelhidão e até manchas na epiderme.

É o que acontece com a estudante Vitória Letra: “Sempre tive a pele seca e dermatite, que eu descobri no calor – minha pele chegava a ficar em carne viva. Eu trato, mas quando chega o frio ou o tempo fica mais seco, a pele começa a cortar e ficar bem áspera, irritada e descascando.”

Ela conta que descobriu o problema na adolescência, quando, em vez de espinhas, tinha as regiões da boca, olhos e nariz ressecadas e avermelhadas. Além do rosto, o dorso da mão e a região dos braços também sofrem com a mudança de estação.

A dermatologista Karla Assed diz que a pele fica mais ressecada durante o inverno porque se perde menos água e ainda é preciso lidar com a falta de exposição ao sol. Ela reitera a importância de manter o uso do protetor solar mesmo no frio, uma vez que a radiação está presente em dias nublados ou de chuva. O ideal, segundo a Sociedade Brasileira Dermatologia, são filtros a partir do 30.

Também é possível fazer uma reposição da vitamina D, cuja absorção é facilitada pela exposição ao sol, com alimentos derivados do leite, como iogurte e queijo, diz o dermatologista Guilherme Ito, da Cia. da Consulta.

Um dos perigos do inverno para a pele é o mau hábito de alguns brasileiros de tomar banhos muito quentes. Segundo Ito, os banhos devem ser mornos ou frios, demorando menos de cinco minutos. É preciso evitar esfoliações e usar buchas ou esponjas, no máximo, uma vez por semana. “Nossa pele tem proteção natural, e no inverno ela fica prejudicada por diferentes fatores, que deixam ela mais vulnerável, piorando alguns problemas”, conta Ito.

A dermatologista Mayara Bravo completa: “A transpiração corporal diminui e essa oleosidade, que hidrata a pele e funciona como uma barreira de proteção, é reduzida. Por isso, ela fica mais suscetível a doenças, como o eczema e a dermatite”.

Depois do banho, é necessário caprichar na hidratação, usando produtos voltados para cada tipo de pele (mais seca ou mais oleosa). Normalmente, a pele das extremidades, como braços e pernas, é mais seca, e no rosto, mais oleosa.

Assed indica produtos que contenham pasta de amônia, manteiga de karité, ureia, pantenol ou nicotinamida entre suas substâncias. Ela diz que a hidratação fica ainda mais intensa quando são usados óleos junto aos hidratantes, pois o produto permanece por mais tempo. “Eles [os produtos] podem ser usados separadamente: no banho, com o corpo molhado, passar o óleo; e depois, por cima, o hidratante”, diz. O indicado é reforçar o uso em extremidades como pés, cotovelos e nariz.

As peles secas acabam sendo as mais prejudicadas e, por isso, os óleos podem ser usados inclusive no rosto – algo não indicado para as peles mais oleosas –, afirma a dermatologista. “Em peles mais acneicas, o hidratante tem que ser óleo-free. Mas no corpo, geralmente, não tem tanto problema usar esses óleos.”

Também merecem atenção os lábios, uma vez que os maus hábitos de puxar as “pelinhas” e de passar a língua neles podem ressecá-los mais e até abrir feridas. “A saliva tem acidez e algumas enzimas que prejudicam a mucosa. O ideal é usar protetor labial e produtos específicos para lábios”, diz Ito. “E, além disso, aumentar a ingestão de líquidos como águas, chás e sucos – no mínimo dois litros por dia.”

A regra da pele oleosa vale para os cabelos, uma vez que dermatites seborreicas podem se intensificar no inverno e, a depender do caso, leva até à perda de cabelo ou diminuição do ritmo de crescimento dos fios, uma vez que cria placas. O ideal nessa época, segundo Assed, é usar xampus que ressecam o couro cabeludo, e um hidratante para a ponta dos fios.

Deixe seu comentário: