Últimas Notícias > Notícias > Brasil > A OAB mantém a pressão contra a PEC dos conselhos

“Creio que minha voz terá mais alcance”, disse Ana Amélia após aceitar ser vice de Geraldo Alckmin

"Entrei na política para ajudar a mudar o meu País. Por isso aceitei esse grande desafio", disse Ana Amélia em vídeo. (Foto: Reprodução Instagram)

A senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS) divulgou nesta sexta-feira um vídeo nas redes sociais em que afirmou que não foi uma “decisão fácil” abrir mão de uma candidatura à reeleição ao Senado quase certa para ser candidata a vice na chapa presidencial do tucano Geraldo Alckmin, com “resultado eleitoral incerto”, mas destacou ter aceito o desafio na certeza de que se pode mudar o País.

Ana Amélia disse que o País está diante de um dos “momentos mais graves da sua história e é justamente nessa hora que não podemos cruzar os braços”. “Ao aceitar esse desafio, fiz na certeza de que podemos mudar o país. Continuarei sendo a mesma Ana Amélia senadora, independente, transparente, combativa e atuante na defesa dos mesmos princípios e ideais”, declarou a senadora gaúcha. “Creio que minha voz terá mais alcance.”

A senadora afirmou ainda que não aceitou mordomias e privilégios durante o seu mandato e citou ter aberto mão do auxílio-moradia. Ela fez questão de destacar algumas posições políticas, como ser contra o foro privilegiado, a favor da prisão de condenados após a segunda instância e apoiar “incondicionalmente” a Operação Lava-Jato, destacando que vai continuar apoiando a operação se chegar à Vice-Presidência.

“Como mulher, não me curvo às pressões de quem quer que seja”, afirmou.

A parlamentar assegurou ao seu eleitorado:  “Fiquem certos de que eu jamais aceitaria qualquer cargo, qualquer desafio que me obrigasse a defender ou fazer coisas com as quais eu não concordo ou não acredito”, destacou Ana Amélia.

De perfil conservador, Ana Amélia, 73 anos, é defensora da Lava-Jato e das prisões após condenação em segunda instância. Apesar de ter apoiado o presidenciável Aécio Neves nas eleições de 2014, ela votou pelo afastamento de Aécio depois de ele ter sido citado nas delações de Joesley Batista e Ricardo Saud, da J&F.

Ana Amélia também encabeçou a proposta de emenda constitucional que torna o voto facultativo. Em quase oito anos de mandato, a senadora apresentou 91 projetos de lei e 14 propostas de emendas constitucionais (PEC’s). A senadora é líder do Ranking dos Políticos, que mede a qualidade dos parlamentares com base em presença em sessões, processos judiciais a que responde, projetos aprovados e outros critérios.

No meio político, a escolha do tucano é vista como uma clara guinada à direita e sinal de polarização garantida nestas eleições.

Geraldo Alckmin chamou Ana Amélia de “vice dos sonhos”, durante entrevista ao Central das Eleições, da GloboNews. A caça ao vice de Alckmin envolvia mais três nomes além do nome da senadora gaúcha – o do deputado Mendonça Filho (DEM-PE), o do ex-ministro Aldo Rebelo (SD-SP) e o do empresário Josué Alencar (PR).

A parlamentar gaúcha também poderá ajudar a melhorar o desempenho de Alckmin no Sul do País, onde o tucano tem perdido votos para o pré-candidato do Podemos, Álvaro Dias.

 

Deixe seu comentário: