Crianças carentes participam de uma “caça aos ovos de Páscoa” na manhã deste sábado em Porto Alegre

Ação da prefeitura ocorre no Jardim do Dmae (bairro Moinhos de Vento). (Foto: Jefferson Bernardes/PMPA)

Um dos mais belos espaços urbanos de Porto Alegre, o Jardim do Dmae (Departamento Municipal de Água e Esgoto), no o bairro Moinhos de Vento, recebe um grupo de crianças carentes para uma atividade especial na manhã deste sábado: a caça aos ovos de Páscoa.

Das 10h às 12h, mais de 100 crianças com idades entre 5 e 12 anos atendidas pela Fasc (Fundação de Assistência Social e Cidadania) e Pequena Casa da Criança sairão à procura de ovinhos de plástico espalhados pelo local. O evento é promovido pela prefeitura da Capital.

Assim que encontrado, o objeto pode ser trocado por um ovo ou barra de chocolate “de verdade” – de um total de 200 unidades, doadas pela Agas (Associação Gaúcha de Supermercados). O Jardim do Dmae está localizado na avenida 24 de Outubro nº 200). Também serão realizadas ações recreativas, como a pintura temática dos rostos da gurizada.

Páscoa saudável

Já na Escola Municipal de Educação Infantil da Vila Floresta (Zona Norte), uma iniciativa gastronômico-cultural promoveu na quinta-feira a ideia de uma Páscoa mais saudável. Além de brincadeiras temáticas, houve um almoço especial para as crianças e aulas sobre o preparo de doces que utilizam frutas mas dispensam o açúcar.

Pela manhã, os alunos tiveram a visita da “Coelha Bailarina”, interpretada pela atriz Carina Junqueira, que dançou, cantou e brincou com as crianças. No cardápio da refeição, fricassê de frango, arroz, feijão, salada de maionese e de cenoura. Na “sobremesa”, uma “caça ao coelho”, com cestas de presentes escondidas por todo o pátio da escola.

Cada kit continha as receitas preparadas pelas turmas, sob a supervisão dos professores, durante a Semana de Gastronomia realizada ao longo da semana pela instituição de ensino: biscoitos integrais, docinho de banana, bolo de cenoura integral e brigadeiro de banana com cacau.

A estratégia de abrir mão de produtos industrializados para priorizar uma alimentação saudável contou com o apoio de nutricionistas da Secretaria Municipal da Educação. “Esse trabalho já existe na rede de ensino e a gente não pode ir na contramão”, frisou a diretora da escola, Patrícia de Freitas Dias. “O pessoal sempre destaca a importância de não usarmos açúcar na alimentação das crianças.”

Outro objetivo da ação era valorizar a experiência de compartilhar algo com os colegas. Ainda de acordo com a diretora, a proposta estimula o respeito ao próximo e o compartilhamento de espaços físicos: “A grande questão é o o olhar para o outro, e a escola é fundamental nesse aspecto”.

Feira do Peixe

Encerrada às 13h dessa sexta-feira, a Feira do Peixe de Porto Alegre de 2019 registrou vendas totais de 376,4 toneladas. Segundo a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, esse desempenho representa uma queda de 6,4% em relação à edição do ano passado.

O cálculo abrange os três pontos do evento: largo Glênio Peres (360 toneladas), Restinga e Belém Novo (16,4 toneladas). Ao todo, cerca de 600 mil pessoas passaram por esses locais, resultando em uma movimentação de aproximadamente R$ 7,9 milhões. Já o preço médio do peixe ficou em R$ 21 o quilo.

“Mais do que um evento comercial, a Feira do Peixe é uma tradição de Porto Alegre e uma grande amostra da diversidade cultural e econômica da nossa cidade”, explica o titular da pasta, Eduardo Cidade. “Mesmo registrando uma pequena queda no volume comercializado, a feira encerra com um faturamento maior que o de 2018.”

Desde 2017, a feira é promovida sem recursos públicos. Todo o valor do evento é custeado pelos feirantes da Colônia Z-5 de Pescadores e da Appesul (Associação de Pescadores), além de atacadistas e expositores.

(Marcello Campos)