Criminosos derrubaram uma torre de transmissão de energia no Ceará

Torre de transmissão de energia fica em Maracanaú, cidade da Grande Fortaleza. (Foto: Reprodução/Twitter)

Em mais uma onda de ataques no Ceará, criminosos derrubaram uma torre de transmissão de energia em Maracanaú, cidade da Grande Fortaleza, na madrugada deste sábado (12).

Os bandidos usaram explosivos para derrubar a torre de transmissão, que acabou tombando. Em nota, a Enel Distribuição Ceará confirmou o ataque e informou que enviou equipes ao local para inspecionar os danos. A distribuidora ainda informou que o ataque não resultou em interrupção no fornecimento de energia para clientes da distribuidora.

No início da manhã deste sábado, os bandidos provocaram uma explosão em uma concessionária de automóveis em Fortaleza. O ataque não deixou feridos. Sábado foi o 11º dia seguido de ataques no Ceará. Ao todo, foram registradas cerca de 200 ocorrências provocadas pelos criminosos desde o início do ano.

A crise na segurança no Ceará começou na noite de 2 de janeiro. Ataques foram registrados no Estado em decorrência de intenção do governo de não mais separar integrantes de facções nos presídios cearenses. Até a última quinta-feira (10), o governo havia informado que 277 pessoas haviam sido presas por relação com os atentados no Ceará.

O governador Camilo Santana anunciou, através da sua página no Facebook na sexta-feira (11), uma série de novas medidas para coibir as ações criminosas registradas no Ceará, incluindo a autorização da convocação imediata de mais 220 agentes penitenciários.

O chefe do Executivo enviou requerimento ao presidente da Assembleia Legislativa, Zezinho Albuquerque, para a realização de sessão extraordinária para os deputados analisarem as solicitações já neste sábado (12).

“Essas medidas, além de todas que já tomamos, tem o objetivo de fortalecer o esquema de segurança de nosso Estado no duro combate ao crime organizado, que atua nas ruas e no sistema penitenciário. Não aceitamos que, aqui no Ceará, criminosos presos continuem dando ordem de comando de dentro das prisões, como acontece há décadas em todo o Brasil”, disse o governador.

As solicitações em regime de urgência são: convocação de policiais militares que estão na reserva para o retorno ao trabalho; aumento da quantidade de horas extras que possam ser pagas aos policiais civis e militares e bombeiros para aumentar a força de trabalho; criação de lei que recompensa a população por informações que resultem na prevenção de atos criminosos e prisão de bandidos envolvidos nos crimes.

Camilo também reforçou que todos os poderes estão atuando juntos em prol da segurança do Ceará. “Governo, Poder Legislativo e Judiciário do Estado, além do Ministério Público e entidades civis, estão todos unidos. Assim como estamos unidos ao Governo Federal, através dos ministérios da Defesa, e da Justiça e Segurança Pública, para enfrentar o crime que tenta se impor contra o nosso Estado e contra o País. Não há recuo! O Estado é mais forte!”.

Na manhã deste sábado, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) defendeu em uma rede social que ações como incendiar e explodir bens públicos ou privados sejam tipificados como terrorismo, citando um projeto de lei do senador Lasier Martins (PSD-RS).

Histórico

Segundo dados do Fórum Brasileiro de Segurança, o Ceará foi, em 2017, o terceiro Estado do País com mais mortes violentas. A taxa foi de 59,1 mortos a cada 100 mil habitantes. À frente do Estado estiveram apenas Rio Grande do Norte (68) e Acre (63,9).

Em 2018, segundo dados divulgados pelo Estado, houve queda de 10,5% na taxa de homicídios entre janeiro e novembro de 2018, comparado com 2017. Mesmo assim, no ano passado ocorreu a maior chacina da história do Ceará, com 14 mortos durante uma festa na periferia de Fortaleza, em janeiro, e a morte de seis reféns após ação policial para evitar assalto a dois bancos em Milagres, no interior, em dezembro.

Deixe seu comentário: