Últimas Notícias > CAD1 > Focado no Veranópolis, o Grêmio realizou um treino técnico intenso

Documentos indicam que a mineradora Vale sabia das chances de rompimento da barragem de Brumadinho desde 2017

O rompimento da barragem da Vale comoveu o País. (Foto: Reprodução)

Dois relatórios da Vale, um de 2017 e outro de 2018, indicam que a mineradora sabia dos riscos de rompimento da barragem 1 da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho. Documento interno da Vale de novembro de 2017 afirma que a barragem, já naquela época, tinha uma chance de colapso duas vezes maior que o nível máximo de risco individual tolerável.

Outro documento, de outubro de 2018, indicava que além de ter duas vezes mais chances de se romper do que nível máximo tolerado pela política de segurança da empresa, a barragem estava em uma “zona de atenção”. A informação foi publicada pela agência de notícias Reuters e confirmada por fontes ligadas à investigação.

Até a segunda-feira (11), 165 corpos já haviam sido resgatados da lama. Destes, 160 foram identificados. O número de desaparecidos é de 155 pessoas, segundo a Defesa Civil de Minas Gerais.

Em nota, a Vale diz que não existe em nenhum relatório, laudo ou estudo conhecido, qualquer menção a risco de colapso iminente da barragem 1 da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho. Além disso, a mineradora diz que “a barragem possuía todos os certificados de estabilidade e seguranças nacionais e internacionais”. A nota da mineradora afirma também que a barragem “estava dentro do limite de risco”.

Zona de atenção

O Ministério Público de Minas Gerais afirmou na segunda-feira, que além da Mina Córrego do Feijão, outras oito barragens da Vale estão em zona de atenção (Alarp Zone).

As barragens estão situadas em áreas próximas a núcleos urbanos, havendo pessoas residentes/transitando na zona de autossalvamento, ou seja, na região do vale a jusante da barragem a uma distância que corresponda a um tempo de chegada da onda de inundação (lama) igual a trinta minutos ou 10 km”.

Expansão de atividades

Embora os documentos indiquem que a Vale sabia do risco de rompimento, a mineradora seguiu com o plano de expansão das atividades do Complexo Paraopeba, onde fica a barragem que se rompeu.

A Vale obteve em dezembro de 2018 autorização do governo de MG para um conjunto de obras que ampliaram em 70% a produção do complexo. A solicitação havia sido feita em 2015.

Incêndio em Belo Monte

O Corpo de Bombeiros Militar do Pará em Altamira está aguardando o pedido formal do CCBM (Consórcio Construtor Belo Monte) para iniciar as investigações sobre o incêndio que atingiu um galpão da usina no fim da tarde de segunda-feira. O comandante do batalhão, tenente-coronel Valtencir da Silva Pinheiro, informou que a perícia no local deve durar um dia, mas as conclusões só serão divulgadas no fim do mês.

“A conclusão da perícia leva em torno de 15 dias. Mas não era uma área grande. Agora, estamos aguardando eles formalizarem a solicitação e temos que esperar esfriar o ambiente para os levantamentos necessários”, disse.

Mais de 20 bombeiros trabalharam por quase seis horas no combate ao incêndio. O 9º Grupamento foi acionado pouco antes das 18h de segunda-feira e encerrou a operação por volta da 1h. O galpão, de cerca de 70 metros de comprimento, segundo os bombeiros, funcionava como depósito de material combustível.

De acordo com o comandante, havia outro depósito de material inflamável nas proximidades, mas o fogo foi controlado a tempo e o risco de disseminação do incêndio foi afastado nos primeiros instantes. Enquanto bombeiros militares combatiam o fogo dentro do galpão, funcionários da brigada mantida pela empresa no local atuaram na área externa.

Deixe seu comentário: