Últimas Notícias > CAD1 > Para fazer história: dupla Grenal terá de fazer resultado inédito em mata-mata para avançar na Libertadores

Dois anos da morte de Bernardo são lembrados durante missa em Porto Alegre

Bernardo Uglione Boldrini tinha 11 anos quando foi morto. (Foto: Reprodução)

Os dois anos da morte do menino Bernardo Uglione Boldrini foram lembrados, na manhã deste domingo (3), durante uma missa na igreja Santa Teresinha, em Porto Alegre. Integrantes do grupo “Júri popular para os assassinos de Bernardo” usavam camisetas com a fotografia da criança. Duas pessoas abriram um banner com a imagem de Bernardo ao final da cerimônia. O padre Marcelo Streit pediu aos fiéis que cuidassem das crianças. “Como pode acontecer de uma criança tão querida ser assassinada de forma tão cruel”, questionou o religioso. Os manifestantes também realizaram uma caminhada no brique da Redenção, após a missa.

Nesta segunda-feira, haverá uma vigília das 10h às 16h, na frente do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, na avenida Borges de Medeiros, para pedir a realização de júri popular para os acusados da morte do garoto.

Caso

Em 4 de abril de 2014, o menino Bernardo, então com 11 anos, foi dado como desaparecido, em Três Passos, por seu pai, o médico Leandro Boldrini e a madrasta, a enfermeira Graciele Ugulini.

Dez dias depois, seu corpo foi encontrado envolto em um plástico enterrado às margens de um rio, na cidade de Frederico Westphalen (Noroeste do RS, ao lado de Três Passos). Edelvânia Wirganovicz, amiga de Graciele, admitiu para a polícia participação no crime e apontou o local onde o garoto foi enterrado. Todos foram acusados pelo assassinato, bem como Evandro Wirganovicz, irmão de Edelvânia.

Deixe seu comentário: