Sexta-feira, 06 de Dezembro de 2019

Porto Alegre
Porto Alegre
28°
Fair

Brasil Dois apartamentos da mulher de Sérgio Cabral foram vendidos em leilão no Rio de Janeiro

A esposa do ex-governador Sergio Cabral, Adriana Ancelmo. (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

Dois imóveis da ex-primeira dama do Rio de Janeiro Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador do Sérgio Cabral, foram vendidos na tarde de terça-feira (16). Os apartamentos foram comprados juntos, em lote único, por R$ 5.040.000,00.

A oferta foi feita num leilão presencial que ocorreu na sede da Justiça Federal, a mesma que condenou Cabral há mais de 100 anos de prisão e sequestrou os bens da família como forma de reaver parte dos valores desviados no esquema de corrupção.

Cada imóvel estava avaliado em R$ 3 milhões, mas tiveram 20% de desconto sobre o valor depois de um primeiro leilão presencial, na semana passada, que acabou sem ofertas.

Os apartamentos têm vista para o mar de Ipanema num condomínio que conta também com sauna e piscina.

Jatinho e carro de luxo de empresário

No mesmo leilão um outro comprador arrematou o jatinho e um carro que pertencia ao empresário Arthur Soares, conhecido como Rei Arthur.

Ele foi um dos maiores beneficiados do esquema de corrupção de Cabral e suas empresas, segundo as investigações, tiveram lucro bilionário na gestão do ex-governador. Os dois bens foram arrematados por R$ 6,5 milhões.

Cabral foi ouvido em agosto a respeito da suposta compra de votos de membros africanos do Comitê Olímpico Internacional e negou. Foi também ouvido a respeito das propinas que teriam sido pagas pelo “Rei Arthur”, um dos principais fornecedores do governo do estado na gestão Cabral . Ele está foragido há um ano.

Carlos Miranda, delator e ex-operador do esquema criminoso de Cabral, diz que o ex-governador recebeu mais de R$ 1 milhão em propina das firmas do empresário por cerca de 5 anos. Cabral voltou a negar ter recebido propina, mas admitiu caixa dois.

“O senhor Arthur Soares me ajudou em campanhas eleitorais de maneira informal, caixa dois. Os irmãos Chebar (delatores) foram responsáveis para pegar parte desses recursos. (…) Posso lhe garantir que me ajudou em campanhas de 2002 para o Senado, 2004 para ajudar candidatos aliados e sei que ajudou adversários meus, 2006 para o Governo do Estado, 2008 para as campanhas municipais, 2010 para reeleição e de candidatos aliados. Mas em 2012 não sei, 2014 com certeza não”.

Cabral voltou a assumir seus erros, dizendo que usou dinheiro de caixa dois para “fins pessoais”. No entanto, afirmou que jamais prometeu obras públicas em troca de vantagens indevidas.

Mansão em Mangaratiba

No mês passado, uma mansão do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral localizada em Mangaratiba, na Costa Verde, foi vendida por R$ 6,4 milhões.

Três apartamentos, três carros e seis relógios já tinham sido vendidos anteriormente no leilão, que incluiu bens de vários presos na Operação Lava-Jato no Rio – entre eles Cabral e sua mulher, Adriana Ancelmo.

A casa de verão foi utilizada pelo ex-governador Sérgio Cabral durante seu governo, de 2007 a 2014.

A mansão, que tem 462 metros quadrados, duas piscinas, sauna e churrasqueira foi avaliada inicialmente em R$ 8 milhões.

Todas de Brasil

Compartilhe esta notícia:

General quer filho de Bolsonaro no comando da Câmara dos Deputados
O PT pede que a Procuradoria-Geral da República investigue a empresa que faz a campanha de Bolsonaro
Deixe seu comentário
Pode te interessar