Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Diretor do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social renuncia após ultimato de Bolsonaro

Dor nas costas: agilidade na busca por tratamento pode garantir fim do problema

Grande parte das dores da coluna é causada por processos inflamatórios e degenerativos. (Foto: Reprodução/Pixabay)
Por Bárbara Assmann*

 

Uma das partes do corpo ignorada pela grande maioria da população, que tem uma missão de grande importância à saúde são as costas. Mais especificamente, a coluna vertebral. O resultado são reclamações constantes, em cerca de oito a cada dez pessoas ao longo da vida. O neurocirurgião, Dr. Alexandre Elias, explica que um dos principais problemas no cuidado com essa região é a automedicação. “Mesmo quando as costas doem, é comum ela ser “tratada” com automedicação paliativa, que não resolve o problema, tornando as disfunções crônicas e mais difíceis as soluções efetivas”, explica o especialista.

Causas
O médico comenta que grande parte das dores da coluna é causada por processos inflamatórios e degenerativos que, por sua vez, ocorrem como consequência de maus hábitos. Dentre eles, destaca má postura, traumas e excesso de peso. Por isso, é importante prestar atenção aos quadros de dor, sua persistência e em que situações eles mais ocorrem para definir a hora de agendar uma consulta médica, antes de insistir com medicações analgésicas que atuam no sintoma, sem tratar a causa.

Diagnóstico
A identificação da doença começa a partir de um bom relato individual com histórico familiar, atividades executadas e relações delas com crises de dor, aliando também alguns exames visuais. “Hoje se tem apresentado muito, em congressos nacionais e internacionais, a importância do exame do balanço sagital, em que o paciente é analisado pelo alinhamento de sua postura em pé a partir do início do tronco cervical até a região lombar”, explica o dr. Alexandre, que complementa: “É a partir desta base que se tem um melhor guia para o pedido de exames de imagem complementares e procedimentos operatórios, quando necessários”.

 

Estagiária sob supervisão de Marjana Vargas*

Deixe seu comentário: