Últimas Notícias > Colunistas > TRF, Lula e Moro

O eleitor de Alckmin é o que menos rejeita Michel Temer, apontou o Datafolha

Alckmin e Temer em entrega de unidades do Minha Casa Minha Vida. (Foto: Alan Santos/PR)

De acordo com a última pesquisa Datafolha, 87% dos eleitores dizem não votar em um candidato apoiado por Michel Temer (PMDB). Assim, sair na foto com o presidente, atualmente, não ajuda nenhum dos pré-candidatos à Presidência.

O percentual é ligeiramente menor no caso de Geraldo Alckmin (PSDB): 75% dos entrevistados pelo instituto afirmam rejeitar o tucano nas urnas se Temer for seu cabo eleitoral.

O PSDB, até então aliado do peemedebista, começou a desembarcar do governo nas últimas semanas. Porém algumas das principais lideranças da base de Temer já consideram Alckmin o candidato da situação nas eleições de 2018, com o apoio do Planalto.

No sábado Temer e Alckmin tentaram passar o recado de que a separação entre PSDB e PMDB não será litigiosa. Os dois entregaram moradias populares em Limeira, no interior de São Paulo, e disseram a jornalistas que a ruptura será “cortês e elegante”, com “entendimento”.

O eleitor de Alckmin é mais amigável a Temer do que a média nacional e do que quem diz preferir os outros pré-candidatos à Presidência.

Enquanto 71% dos brasileiros avaliam a gestão do peemedebista como ruim ou péssima, esse percentual cai para 46% entre os que declararam a intenção de votar no tucano.

A aprovação a Temer está em 5% (ótimo ou bom) da população, índice que dobra entre os alckmistas: 13%. Avaliaram o governo como regular 23% dos brasileiros e 38% dos possíveis eleitores do governador paulista.

Quem declara preferência por Bolsonaro, Marina e Ciro Gomes — este último, com patamar de intenção de voto semelhante ao de Alckmin (6%) — tem impressão semelhante do governo Temer.

O governo do presidente é ótimo para 5% dos eleitores desses três pré-candidatos, regular entre 26% e 28% e péssimo entre 67% e 69%.

A diferença está dentro da margem de erro da pesquisa Datafolha, de dois pontos percentuais. O instituto ouviu 2.765 pessoas entre 29 e 30 de novembro, em 192 cidades.

Quem apoia o ex-presidente Lula é também quem pior avalia o peemedebista: 81% acham péssimo, 15% regular e 3%, ótimo.

Perspectiva

O eleitor de Alckmin também é menos pessimista do que a média pensa no futuro do País. Um percentual semelhante dos dois grupos acha que pior do que está, não fica: 37% dos brasileiros e 38% dos simpatizantes do governador paulista.

No entanto, 43% dos eleitores do tucano disseram que a situação econômica do País vai melhorar no próximo semestre, ante 27% da média nacional. Pessoalmente, 51% dos favoráveis a Alckmin disseram que sua situação econômica não mudou, 29% afirmaram que piorou e para 20%, melhorou.

“Cortês e elegante”

“Será uma coisa cortês e elegante. Como do meu estilo e do governador. Eu tenho certeza que o PSDB deu uma grande colaboração ao governo. Nós temos um ano e meio, o PSDB esteve presente um ano e meio, aliás em ministérios de grande porte”, afirmou Temer em Limeira. Ele acrescentou que, até então, não havia discutido o assunto com o governador. Antes, em discurso no evento, Alckmin (PSDB), havia pedido “entendimento” ao presidente.

“Presidente, conte conosco”, afirmou o governador na cerimônia. “A boa política é buscar entendimento. Entendimento para resolver os problemas do Brasil e melhorar a vida das pessoas.”

Deixe seu comentário: