Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Bolsonaro quer fazer do Nordeste uma das “vitrines” de seu governo. A Região é um reduto eleitoral do PT

Em 2017, o Supremo gastou quase 860 mil reais com passagens aéreas nacionais e internacionais

O STF retoma nesta quarta-feira o julgamento do pedido de habeas corpus preventivo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. (Foto: Agência Brasil)

No ano passado, o STF (Supremo Tribunal Federal) gastou com voos nacionais e internacionais de ministros e servidores, quase o mesmo que desembolsou para bancar auxílio-moradia de 23 assessores. Foram 859,7 mil reais com os voos e 768 mil reais com moradia.

Os voos para o exterior não entram no auxílio que cada um dos 11 ministros têm direito para comprar viagens dentro do País. Como revelou a imprensa de Brasília, a cota é de 51,6 mil reais por ano. Os ministros não precisam justificar a natureza da viagem e podem requerer o auxílio até mesmo no recesso do Judiciário.

A exceção ficou por conta dos ministros Cármen Lúcia (presidente da Casa), Marco Aurélio Mello e Celso de Mello: eles não utilizaram a verba no ano passado.

Campeão

Luiz Fux, por sua vez, foi o que mais requereu, 47,2 mil reais, no período entre janeiro a outubro, de acordo com os últimos dados disponíveis. Atual presidente do TSE, Fux fez 41 das 44 viagens compradas com a cota para o Rio de Janeiro, seu Estado, o que é permitido pelo Supremo.

A sua assessoria justificou: “Toda a família do ministro se encontra no Estado do Rio, inclusive a sua Querida Mamãe, esposa e filhos, portanto sua necessidade de deslocamento para tal Cidade”. E disse, ainda, que “todos os esforços envidados para obter os referidos dados atualizados junto à administração do STF, foram inócuos” devido ao feriado. E que não seria possível checar ontem se ele tinha agenda de trabalho no Rio na ocasião das viagens.

O STF ressaltou, ainda, que todos os dados relacionados às viagens dos ministros estão “discriminados no seu portal na internet”.

Fux tomou posse no dia 6 deste mês como presidente do Tribunal Superior Eleitoral. Vai ser um período curto como presidente do TSE, mas com uma missão gigante: comandar a Justiça Eleitoral durante os meses que antecedem as eleições para deputado estadual e federal, senador, governador e presidente da República.

Cota

Em 2018, cada um dos 11 ministros do Supremo terá uma cota de 51,6 mil reais para custear passagens aéreas nacionais. É permitido a eles solicitar o auxílio sem necessidade de justificar a natureza da viagem, até mesmo no recesso. A Corte entende que os magistrados podem despachar eletronicamente de qualquer lugar do País. No ano passado, a cota era de 50,4 mil reais por ano.

 

Deixe seu comentário: