Últimas Notícias > Capa – Você viu > Dia do Homem: endocrinologistas fazem campanha contra anabolizantes

Um programa britânico de incentivo às energias renováveis analisa a possibilidade de investir no Rio Grande do Sul

Iniciativa inclui alternativas de energia como a eólica e a solar. (Foto: EBC)

Por meio do programa Prospery Fund (“Fundo Prosperidade”), desenvolvido pelos governos de Brasil e Reino Unido, uma série de projetos no segmento de energias renováveis devem ser estendidos aos Estados. E o Rio Grande do Sul está nos planos.

Segundo a oficial de Política Energética da Embaixada do Reino Unido no Brasil, Clarissa Vargas, há previsão de investimento em iniciativas destinadas a questões como financiamento, regulação e geração de redes auto-sustentáveis.

De acordo com ele, o Brasil é um dos parceiros prioritários do programa, cujo foco abrange as áreas de finanças verdes, comércio, energia, saúde, educação e cidades futuras (mobilidade urbana e água). Os investidores britânicos pretendem ampliar a sua presença em energias renováveis. Isso inclui biocombustíveis e os segmentos de energia eólica e solar.

Ao se reunir com Clarissa, o secretário estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura, Artur Lemos Júnior, destacou que o Rio Grande do Sul tem grande potencial energético – devidamente mapeado – e um “ambiente competitivo e promissor” para o desenvolvimento dessas fontes.

Em março, o governador Eduardo Leite já havia recebido o embaixador britânico no Brasil, Vijay Rangarajan. Na ocasião, o diplomata manifestou o interesse de seu país em estabelecer parcerias que ampliem a troca de informações, principalmente nos setores de energia renovável e de tecnologia.

Viagem

Em busca de investimentos, neste mês Eduardo Leite fará a sua primeira viagem de Exterior desde que iniciou o mandato, em 1º de janeiro. O roteiro terá seis dias de duração, começando por Nova York (Estados Unidos) em 13, 14, 15 e 16 de maio, seguida por Londres (Inglaterra), nos dias 17 e 18.

De acordo com o Palácio Piratini, o giro tem como objetivo apresentar a investidores privados e operadores do mercado financeiro as oportunidades de negócios no Estado. Não se trata, porém, de uma missão oficial.

“Vamos apresentar um Rio Grande do Sul que se abre cada vez mais para novos investimentos”, ressalta Leite. “É isso que o governo tem demonstrado com as reformas estruturais que estão em andamento e com um foco muito claro no desenvolvimento.”

Dentre as reuniões agendadas em Nova York estão encontros com o Council for the Americas (Conselho das Américas), entidade empresarial que promove o livre comércio no continente, além de executivos do banco de investimentos Merrill Lynch e do jornal “Financial Times”.

Também está previsto um encontro com investidores do Banco Itaú, além da participação no Brasil Investment Forum, promovido pelo Lide (Grupo de Líderes Empresariais), fundado em 2003. Já em Londres, o chefe do Executivo gaúcho conversarpa com investidores e fará uma palestra no evento “Brazil Forum UK”, que promove debates sobre o futuro do País.

Alemanha

Durante recente encontro no Palácio Piratini, o embaixador da Alemanha, Georg Witschel, e o cônsul-geral em Porto Alegre, Thomas Schmitt, também manifestaram interesse em estreitar relações culturais e econômicas com o Rio Grande do Sul. Segundo eles, diversas empresas germânicas estão de olho no Estado.

Além disso, convidaram o governador Eduardo Leite para o 37º EEBA (Encontro Econômico Brasil-Alemanha), que será realizado em setembro em Natal (RN). Também sugerirem que o Executivo gaúcho organize uma missão internacional ao país europeu para visitar e conhecer alguns dos interessados.

“Eu faço muito gosto, pois mantemos um laço cultural muito forte, além de relações econômicas, com diversas empresas alemãs já situadas em nosso Estado”, declarou Leite. “Estreitar e ampliar essas relações é de nosso total interesse.”

O embaixador, que disse “se sentir em casa” ao visitar o Rio Grande do Sul, emendou: “Acredito que não podemos perder essas tradições e a cultura, por isso, mais do que interesses econômicos, temos um projeto para formar parcerias também no ensino do idioma”.

(Marcello Campos)

Deixe seu comentário: