Últimas Notícias > CAD1 > Jogando fora de casa, o Inter enfrenta nesta quarta-feira o Bahia com o desafio de manter no segundo turno do Brasileirão a boa campanha colorada

Em depoimento para o juiz Sérgio Moro, marqueteira reafirmou e detalhou os repasses ilegais de dinheiro da Odebrecht para as campanhas de Dilma e Fernando Haddad

Santana e Mônica Moura dizem que Dilma tinha pleno conhecimento de que a Odebrecht ficou responsável por pagar, via caixa doisl na campanha de 2014. (Foto: Fernando Donasci/Twitter/Dilma Rousseff)

Em depoimento em Curitiba, no Paraná, a marqueteira Mônica Moura, delatora na Operação Lava-Jato, confirmou e detalhou repasses ilegais de dinheiro da Odebrecht para campanhas eleitorais dos petistas Dilma Rousseff e Fernando Haddad.

O juiz Sérgio Moro ouviu os depoimentos de quatro réus do processo, entre eles João Santana e Mônica Moura, que são delatores.

O casal de marqueteiros foi responsável pelas últimas três campanhas do PT à Presidência da República. Os dois são acusados de receber dinheiro do setor de propinas da Odebrecht.

No depoimento, Mônica Moura falou sobre pagamentos no Brasil e no exterior. Segundo ela, no Brasil eram feitos em espécie, mediante senha.

Chegavam com o dinheiro em mochila, malas ou na roupa, jaquetas, meia, diversas formas. Eu esperava no local pré-determinado, a pessoa chegava, me pedia a senha, entregava o dinheiro e ia embora”, contou Mônica.

O Ministério Público Federal identificou nas planilhas da Odebrecht repasses para o casal que somam R$ 23,5 milhões entre 2014 e 2015, quando a Operação Lava-Jato já estava em andamento.

Os marqueteiros alegam que receberam parte deste valor. E Mônica Moura deu detalhes, no depoimento, sobre os pagamentos em caixa dois na campanha à reeleição de Dilma Rousseff.

Negociei com a Dilma, o valor foi todo negociado diretamente com ela, eu e ela. Pela primeira vez na vida eu negocio diretamente com uma presidente e com um candidato, valores”.

No depoimento, Mônica Moura também citou pagamentos via caixa dois feitos pela Odebrecht nas campanhas para prefeitura de Fernando Haddad e Patrus Ananias, em 2012, além de campanhas no exterior.

Nesse caso dos depósitos, que somam US$ 3 milhões, teve um fato inusitado. Como em 2012 foi o ano que fizemos recorde de campanhas, a Odebrecht estava colaborando em quatro das cinco campanhas: Angola, Venezuela, São Paulo Haddad e Minas Gerais, Patrus Ananias. Esses valores, quebradinhos, cada parte se refere a uma dívida. Mas todos campanhas políticas, não todos do PT”.

O Ministério Público Federal denunciou, em Curitiba, os ex-ministros da Fazenda dos governos petistas Antonio Palocci e Guido Mantega por corrupção na Operação Lava Jato. Os procuradores afirmam que, entre 2008 e 2010, a Odebrecht negociou pagamento de propina em troca da edição de medidas provisórias favoráveis aos interesses da empresa.

Ainda segundo as investigações, Mantega aceitou pagamento de R$ 50 milhões e o dinheiro foi usado na campanha de reeleição da ex-presidente Dilma Rousseff.

Antonio Palocci está preso em Curitiba, condenado em outro inquérito da Lava-Jato. Ele e Mantega também são investigados pela operação em Brasília.

O que dizem os citados

O PT afirmou que a Lava-Jato arma espetáculos de olho nas eleições e que, desta vez, foi para criar notícias falsas contra o partido às vésperas do registro oficial da candidatura à Presidência da República.

A assessoria de Dilma Rousseff afirmou que ela nunca negociou doações eleitorais ou ordenou qualquer pagamento ilegal a prestadores de serviços em campanhas ou fora delas e que as declarações de Mônica Moura são mentirosas e descabidas.

O deputado Patrus Ananias declarou que o PT foi responsável pela parte financeira da campanha dele em 2012 e que não teve nenhum envolvimento com a captação de recursos.

As defesas de Guido Mantega e de Antonio Palocci disseram que só vão se pronunciar no processo e só depois de analisar a denúncia.

A Odebrecht declarou que continua colaborando com as autoridades.

A assessoria de Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores, repetiu as declarações do PT de que a Lava-Jato arma espetáculos de olho nas eleições e que, desta vez, foi para criar notícias falsas contra o partido às vésperas do registro oficial da chapa de Lula e Haddad à Presidência da República.

Deixe seu comentário: