Últimas Notícias > Atividades Empresariais > Jogo entre Inter e Ceará tem desconto na reserva antecipada no Edifício-Garagem do Beira-Rio

Em Londres, Donald Trump voltou atrás e disse que não criticou a primeira-ministra britânica

"Eu não critiquei a primeira-ministra, tenho muito respeito pela primeira-ministra", disse Trump. (Foto: Reprodução)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta sexta-feira (13) que não criticou a primeira-ministra britânica Theresa May, depois de uma entrevista do americano ao tabloide The Sun ter causado polêmica.

“Eu não critiquei a primeira-ministra, tenho muito respeito pela primeira-ministra”, disse Trump. “Infelizmente houve uma reportagem que foi feita que no geral estava boa mas que não publicou o que eu disse sobre a primeira-ministra e eu disse uma coisa tremenda [sobre ela]. Isso se chama ‘fake news’ [notícia falsa].”

“Em termos de grau, colocaria nosso relacionamento no nível mais alto de especial, especialmente depois desses dois dias com a primeira-ministra. Consigo ir mais alto que isso? Não sei, mas é o nível mais alto de especial. São um povo muito especial, é um país muito especial e como eu disse eu tenho um relacionamento porque minha mãe nasceu na Escócia”, acrescentou.

Na entrevista ao Sun, ele criticou duramente o plano de May para a saída do Reino Unido da UE (União Europeia) — o “brexit” –, elogiou o agora ex-chanceler Boris Johnson e demonstrou mágoa com a autorização para que um boneco gigante inflável que retrata o mandatário sobrevoasse Londres.

O americano na entrevista afirmou que a proposta de May de um “brexit light”, em lugar de um afastamento rápido e duro, representa o fim de um possível acordo de livre-comércio no futuro entre EUA e Reino Unido.

A proposta apresentada na semana passada pela primeira-ministra prevê um acordo de livre-comércio com a Europa para bens e produtos agrícolas.

Para Trump, esse plano significaria que os EUA continuariam a lidar com a União Europeia, e não diretamente com o Reino Unido, o que inviabilizaria qualquer acordo comercial entre os países.

Nesta sexta, porém, May disse que ela e Trump concordaram em negociar um “ambicioso” acordo de livre-comércio entre Reino Unido e EUA, e Trump elogiou a maneira como a primeira-ministra está conduzindo as negociações.

“Ela é incrível. Ela está fazendo um trabalho incrível, e o ‘brexit’ é uma situação muito dura, entre fronteiras e as entradas nos países e tudo isso”, afirmou Trump. “Ela é uma pessoa muito inteligente, muito dura e muito capaz, e prefiro tê-la como minha amiga do que como minha inimiga.”

Trump também retificou sua declaração de que havia “aconselhado” May sobre as negociações do “brexit”, dizendo que ofereceu apenas “sugestões”, e que a primeira-ministra as considerou “muito brutais”.

Trump também afirmou que os países negociariam um acordo bilateral. “Uma vez que o processo do ‘brexit’ esteja concluído, e talvez o Reino Unido tenha deixado a UE, eu não sei o que eles vão fazer, mas o que vocês fizerem está bom para mim, a decisão é de vocês. Só garantam que possamos ter comércio com vocês, só isso importa”, disse o republicano.

Alemanha e Rússia

O presidente americano voltou a criticar a Alemanha por suas compras de petróleo russo. Na cúpula da OTAN (aliança militar ocidental), na quarta-feira (11) ele havia dito que isso torna a Alemanha “prisioneira” da Rússia.

“É uma tragédia. É horrível quando você está dando bilhões e bilhões de dólares da Alemanha para os cofres da Rússia”, afirmou. “É um erro horrível. Como você pode trabalhar pela paz quando alguém tem esse tipo de poder sobre você?”.

May respondeu que vai discutir o oleoduto Nord Stream com seus parceiros europeus.

A primeira-ministra também agradeceu Trump por seu apoio no episódio do envenenamento de um ex-espião russo na Inglaterra, em março. O Reino Unido culpa a Rússia pelo caso.

Trump deve se encontrar com o presidente russo, Vladimir Putin, em cúpula em Helsinque (Finlândia), após sua visita de quatro dias aos Reino Unido, e disse que vai abordar o tema da redução de armas nucleares

Deixe seu comentário: