Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Uma candidata do PSL disse à Polícia Federal que o ministro do Turismo pediu desvio de dinheiro na eleição

Em manifesto, atirador da Nova Zelândia critica miscigenação no Brasil e faz referências a games

Brenton Tarrant é acompanhado por policiais durante sua apresentação à Corte do distrito de Christchurch. (Foto: Reprodução)

“Um homem comum, 28 anos, nascido na Austrália em uma família de classe trabalhadora e de baixo salário.” Assim se definiu o atirador do massacre nas mesquitas em Christchurch (Nova Zelândia), Brenton Tarrant, em um manifesto de 73 páginas escrito em inglês precário, recheado de links da Wikipedia e publicado em uma conta no Twitter atribuída a ele.

No arquivo, intitulado “The Great Replacement” (a grande substituição), Brenton explica os motivos e as influências que o levaram a cometer os ataques desta sexta (15), que deixaram 49 mortos na Nova Zelândia. Há inclusive uma menção ao Brasil no documento.

O título do manifesto é uma clara referência ao livro publicado em 2012 pelo polemista francês Renaud Camus. Na obra, Camus discorre sobre a “teoria” de que a maioria branca europeia está em curso de substituição por imigrantes não brancos da África do Norte e da África subsaariana, muitos dos quais muçulmanos.

Em linhas gerais, o australiano se posiciona como um nacionalista branco, contra a diversidade racial, apoiador de Trump e do Brexit – mas não da Frente Nacional francesa – e inspirado, entre outros, pelo atirador da Noruega Anders Breivik, cujos ataques em 2011 vitimaram 77 pessoas. Dois jogos de videogame são citados.

O Brasil aparece em uma seção intitulada “Diversidade é Fraqueza”, no qual Terrant diz que os países “diversos” ao redor do mundo são locais de “conflito social, político, religioso e ético”.

“O Brasil, com toda a sua diversidade racial, está completamente fraturado como nação, onde as pessoas não se dão umas com as outras e se separam e se segregam sempre que possível”, escreveu.

O atirador fez questão de deixar claro que seus pais são de origem escocesa, irlandesa e inglesa, e que “diariamente, nós [os europeus] nos tornamos menos numerosos” em razão de taxas de natalidade decrescente.

A imigração em massa “a convite do Estado” e as “altas taxas de fertilidade dos imigrantes”, segundo ele, terminariam por gerar uma “completa substituição racial e cultural dos povos europeus”.

Tarrant justifica que houve um período de dois anos que “mudou dramaticamente” sua visão e o incentivou a cometer os ataques. O período compreende o ataque terrorista em Estocolmo, em abril de 2017, quando um imigrante do Usbequistão, Rakhmat Akilov, matou cinco pessoas quando atropelou pedestres com uma van em uma movimentada rua de compras da cidade.

Uma das vítimas foi uma jovem de 11 anos, Ebba Akerlund, citada nominalmente no manifesto. O ataque às mesquitas na Nova Zelândia seria para vingar a perda da vida da garota, “morta nas mãos de invasores”.

Deixe seu comentário: