Últimas Notícias > Atividades Empresariais > Diego Petrarca lança “Carnaval Subjetivo”

Empresário ajudou a eleger 24 candidatos de 10 partidos diferentes

Entre os principais beneficiários do maior doador destas eleições, apenas dois candidatos não tiveram sucesso nas urnas. (Foto: Nelson Junior/TSE)

O empresário Rubens Ometto ocupa o 1º lugar no ranking de doadores nestas eleições. Ometto repassou R$ 7 milhões a 53 candidatos de 14 partidos diferentes. Desse grupo, 24 candidatos de 10 siglas conseguiram se eleger – o equivalente a 45,3%. Segundo a revista Forbes, a fortuna de Ometto é de US$ 1,4 bilhão (ou R$ 5,2 bilhões). Atualmente, o empresário exerce a presidência do Conselho de Administração da Cosan, empresa com negócios nos segmentos de energia, gás e logística.

O 2º colocado no ranking de doadores (Nevaldo Rocha, fundador do Grupo Guararapes) doou menos da metade do montante transferido por Rubens Ometto – R$ 3,2 milhões.

O candidato que recebeu mais dinheiro de Ometto foi o deputado federal Arnaldo Jardim (PPS-SP), que renovou o mandato para mais quatro anos na Câmara dos Deputados. Ele recebeu R$ 250 mil do bilionário – o equivalente a 10,88% do total da receita da candidatura.

Entre os principais candidatos beneficiários do maior doador destas eleições, apenas dois candidatos não tiveram sucesso nas urnas. São eles: o ex-presidente da Alesp, deputado estadual Fernando Capez (PSDB-SP), e o deputado federal Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR).

Espectro político da direita

O empresário diz que escolheu candidatos já com experiência e que se posicionaram a favor da “livre iniciativa”. Ele afirma ainda que um dos seus critérios foi doar para candidatos ligados ao espectro político da direita e que sejam a favor das reformas previdenciária, política e tributária. “Penso apenas no bem do País, em ajudar o futuro presidente e em apoiar as reformas que precisam ser feitas”, acrescenta Ometto.

O empresário admite que alguns dos candidatos que receberam as doações “podem ter cometido algum erro”, mas reforça que seus repasses são legais e seguem a lei. O fundador da Cosan defende ainda a permanência da proibição das doações de empresas porque “antigamente isso estava errado e exagerado”.

Pela primeira vez, as doações de empresas estão proibidas nas eleições para deputado, senador, governador e presidente. Em nota, a assessoria de imprensa da Cosan diz que as doações eleitorais “foram realizadas em caráter pessoal”.

Candidatos eleitos

O resultado das urnas pode ter sido decepcionante para os deputados que não conseguiram se reeleger. Ou para os reeleitos que tiveram menos votos do que em 2014. Mas o empresário Rubens Ometto acertou mais da metade de suas apostas para as eleições deste ano.

Um dos premiados com a doação de Ometto foi o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), cotado para ministro-chefe da Casa Civil num eventual governo de Jair Bolsonaro. Onyx recebeu R$ 200 mil do empresário. Outros seis nomes também conseguiram R$ 200 mil do empresário.

O líder do ranking de doações selecionou, principalmente, nomes de candidatos que já estão na política e que, em alguns casos, já foram até ministros do governo Michel Temer. Entre eles, os ex-ministros Ronaldo Nogueira (PTB-RS), Bruno Araújo (PSDB-PE), Fernando Filho (DEM-PE) e Ricardo Barros (PP-PR). Nogueira e Araújo não se elegeram.

Diretórios partidários

Ometto também destinou dinheiro a diretórios nacionais (MDB e PSDB), a diretórios estaduais (MDB, PTB, PP e PSB) e ao diretório municipal do MDB em Jaraguá do Sul, em Santa Catarina.

As doações aos órgãos partidários somam R$ 1,5 milhão: MDB Nacional, R$ 400 mil; PSDB Nacional, R$ 300 mil; PTB São Paulo, R$ 200 mil; PP Piauí, R$ 200 mil; PSB São Paulo, R$ 200 mil; MDB Rio de Janeiro, R$ 100 mil; MDB Jaraguá do Sul (SC), R$ 100 mil.

Deixe seu comentário: