Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Política > A Câmara dos Deputados aprovou a Medida Provisória que libera 100% de capital estrangeiro nas empresas aéreas brasileiras

Episódio de Os Simpsons com a voz de Michael Jackson será retirado do ar nos Estados Unidos

Michael Jackson morreu em 2009, aos 50 anos, devido a uma overdose de medicamentos. (Foto: Divulgação)

A polêmica envolvendo o documentário “Leaving Neverland”, que trás de volta aos holofotes as acusações de assédio sexual infantil contra Michael Jackson, continua trazendo reações negativas para o cantor. E depois de várias rádios ao redor do mundo, em especial no Canadá, retirarem as músicas de Michael Jackson de suas programações, agora é a vez da TV começar um boicote ao cantor.

Segundo o jornal The Wall Street Journal, o episódio da série Os Simpsons que tem a voz de Michael Jackson será tirado do ar para futuras exibições na TV dos Estados Unidos. “O documentário mostrou evidência de comportamento monstruoso”, afirmou James L. Brooks, um dos produtores executivos de Os Simpsons, ao The Wall Street Journal.

“Os caras com quem eu trabalho – onde nós passamos nossas vidas discutindo sobre piadas – foram unânimes nisso. Era claramente a única opção a se escolher”, concluiu James L. Brooks.

No episódio, intitulado “Stark Raving Dad”, Michael Jackson dubla o personagem Leon Kompowsky, um paciente de hospital psiquiátrico que compartilha um quarto com Homer Simpson. No episódio, o personagem dublado por Michael Jackson canta “Billie Jean” e até ensina Homer a fazer o famoso passo moonwalk.

“Esse foi um episódio querido. Há muitas memórias envolvidas nesse episódio, e isso [as acusações de assédio sexual infantil] certamente não as permitem se manter”, completou James L. Brooks.

Grife

A polêmica envolvendo o documentário “Leaving Neverland” e as acusações de assédio sexual infantil contra Michael Jackson causaram mais reações negativas à carreira do cantor, falecido em 2009.

Depois de rádios pararem de tocar suas músicas e de museu retirar sua estátua de exibição, agora é a vez da grife Louis Vuitton tomar uma decisão radical à luz das acusações contra Michael Jackson apontadas no documentário, exibido pela HBO nos Estados Unidos.

Em comunicado feito ao site WWD – Women’s Wear Daily, a grife francesa anunciou o interrompimento da produção e venda de peças relacionadas a Michael Jackson, presentes em sua coleção masculina de outono 2019. A coleção, inspirada no legado da música Pop do cantor, foi apresentada foi apresentada uma semana antes da exibição de “Leaving Neverland” no Festival de Cinema de Sundance e a grife Louis Vuitton afirmou desconhecer as acusações mostradas no documentário.

“Segurança e bem estar infantil são de extrema importância para a Louis Vuitton. Nós estamos totalmente comprometidos com essa causa”, afirmou o presidente da grife no comunicado ao site WWD.

Além da Louis Vuitton, outras empresas também começaram um “boicote” ao trabalho de Michael Jackson. A rede de cafeterias Starbucks, por exemplo, vai parar de executar as músicas do cantor em suas lojas ao redor do mundo.

Deixe seu comentário: