Últimas Notícias > Capa – Magazine > A Unesco estima em 10 anos prazo para restauração do Museu Nacional

Lula nega a intenção de se exilar e disse que está pronto para a prisão

"Eles querem prender? Prendam, paguem o preço", disse o petista. (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

Em uma das três entrevistas que deram origem ao livro “A Verdade Vencerá – O Povo Sabe Por Que Me Condenam”, o jornalista Juca Kfouri perguntou ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre a possibilidade de se exilar em uma embaixada amiga em vez de aceitar passivamente a prisão. Lula admite estar pronto para enfrentar a prisão e nega a possibilidade de fuga: “Olha, conheço companheiros que ficaram 15 anos exilados e não tiveram voz aqui dentro, no Brasil”.

No livro, que é assinado pelo próprio Lula e será lançado na sexta-feira (16), em São Paulo, o ex-presidente, condenado a 12 anos e um mês de prisão em regime fechado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex em Guarujá (SP), admite pela primeira vez estar pronto para enfrentar a cadeia.

Além disso, Lula adianta o discurso político que será usado para seus seguidores, o do preso político, injustiçado, que um dia será absolvido pela história. “O preço que vai ser pago historicamente é a mentira contada agora”, diz Lula. “Eles querem prender? Prendam, paguem o preço”, afirma.

Kfouri volta ao assunto com mais ênfase. “O senhor está cogitando a hipótese de ser preso?” Lula afirma: “Estou. O que não estou é preparado para a resistência armada, nem tenho mais idade. Como sou um democrata, nem aprender a atirar eu aprendi”.

Na sequência, a editora Ivana Jinkings indaga: “Como é que se prepara o espírito para isso?” “Eu não preparo o espírito”, diz Lula. “Eu sou um homem de espírito leve. Tudo isso faz parte da história. Há duas instâncias superiores a que a gente pode recorrer e vamos recorrer. Eles vão tomar a decisão e estou pronto para ser preso. É uma decisão deles.”

O livro, da editora Boitempo, é fruto de três entrevistas feitas por Kfouri, Ivana, Gilberto Maringoni e Maria Inês Nassif em fevereiro deste ano, depois, portanto, de o TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) ter confirmado a condenação do petista. Além disso, traz textos de Luis Fernando Verissimo, Luiz Felipe de Alencastro, Eric Nepomuceno e outros.

Dilma

Lula diz que faltou empenho político da presidente cassada Dilma Rousseff e sua equipe para evitar o impeachment. “Em todas as conversas que eu mantinha, as pessoas se queixavam 100% dele [Aloizio Mercadante] e 101% da Dilma. Cheguei a ponto de dizer para a Dilma: ‘Olha, você vai passar para a história como a única presidente que nem os ministros defenderam’.”

Além disso, admite que o presidente Michel Temer, chamado por ele de “traidor”, soube resistir melhor do que a petista, conta histórias de eleições passadas – como o dia em que Leonel Brizola, já no segundo turno da disputa de 1989, sugeriu que ambos renunciassem em favor do tucano Mario Covas – e evita fazer a defesa pública do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu.

Lula revela ainda que João Santana tentou, primeiro, fazer de Dilma uma “candidata-tampão” e, depois, afastá-la dele. Com bom humor, mostra aspectos de sua vida pessoal, como a relação com a bebida. “Duvido que um jornalista tenha me visto bêbado. A última vez que bebi pra valer foi para ver Brasil e Holanda na Copa de 1974. A gente ficou guardando a bebida para depois da vitória e tomamos de 2 a 0. Ficamos xingando os jogadores e bebemos.”

Fidel

Inspiração de Lula, o discurso “A História me Absolverá” foi escrito como defesa do advogado e líder da revolução cubana, Fidel Castro, diante do tribunal que o julgava em razão do ataque fracassado ao quartel Moncada, em Santiago de Cuba.

Era 1953, Fidel tentou a ação armada para derrubar o regime de Fulgêncio Batista. No discurso, ele se transformava em acusador do regime. “Quanto a mim, sei que a prisão será dura, como tem sido para todos – prenhe de ameaças, de vil e covarde rancor. Mas não a temo.” E terminava com a síntese de sua estratégia: “Condenai-me, não importa. A história me absolverá.” Recebeu 15 anos de prisão. Anistiado em 1955, ele derrubaria Batista três anos depois.

Deixe seu comentário: