Últimas Notícias > Colunistas > Bárbara Veit > Reforma fiscal americana, por que não copiar?

Eta Brasilzão da silva

Quem nasce em Santa Catarina é catarinense. Ou barriga-verde. Quem vem ao mundo no Rio Grande do Sul é sul-rio-grandense. Ou gaúcho. No Rio Grande do Norte, norte-rio-grandense. Ou potiguar. Etc. Etc. Etc. De onde vêm os nomes tão originais, que de óbvio não têm nada?

Barriga-verde

Faz parte da tradição cultural de Santa Catarina dizer que as pessoas nascidas no estado são chamadas de barrigas-verdes por causa do hábito de beber erva-mate. Para os historiadores, porém, o nome vem do colete verde usado pelos soldados de um batalhão de fuzileiros catarinenses, criado pelo brigadeiro Silva Pais no século 19.

Gaúcho

A origem da palavra é incerta. Ela existe também na língua espanhola e supõe-se que tenha nascido na região platina, entre o Uruguai e a Argentina, para designar os habitantes das zonas rurais que se dedicavam à criação de gado nos pampas. Os moradores do Rio Grande do Sul teriam herdado o apelido pela proximidade com os dois países.

Carioca

O termo vem de duas palavras de origem tupi: kara’iwa (homem branco) e oka (casa), que, juntas, significam “casa do homem branco”. Os índios passaram a usar a expressão logo após a fundação do Rio de Janeiro, para se referir à cidade. Como apelido para os moradores, o termo só começou a ser usado a partir do século 18.

Capixaba

Quem nasce no estado do Espírito Santo recebe esse nome por influência da língua tupi, na qual kapixaba significa “terra de plantação”. O motivo é que havia, na região, muitas roças que abasteciam de alimento as tribos indígenas locais.

Soteropolitano

Ops! É incrível. O nome de quem nasce na capital baiana vem do grego! Nessa língua, soter significa “protetor” ou “salvador”, enquanto polis quer dizer “cidade”.

Potiguar

O termo para quem nasceu no Rio Grande do Norte, assim como suas variantes pitiguar e pitiguara, também vem do tupi. A palavra original poti’war significa “aquele que come camarão”, crustáceo encontrado com fartura no litoral do estado.

Mineiro

Olha a exclusividade. O único gentílico estadual terminado em –eiro é mineiro. Estranho? Sem dúvida. Mas a excentricidade tem explicação. O sufixo –eiro forma, entre outras, palavras que designam profissões (ferreiro, engenheiro, pedreiro). Eis o xis ta questão. Mineiro era quem trabalhava nas minas. Ou era proprietário de minas.

Leitor pergunta

Sempre confundo. A expressão é grosso modo ou a grosso modo?

Maurício Costa, Floripa

As duas formas aparecem com frequência. Mas só uma merece nota 10. Expressão latina, grosso modo significa de modo grosseiro, impreciso, aproximado: A avaliação preliminar revelou, grosso modo, lucro superior a R$ 50 mil.

Qual o plural de sênior e júnior?

Clarice Vila, Porto Alegre

Sênior e júnior jogam no mesmo time. Ambos fazem o plural do mesmo jeitinho (seniores e juniores). A sílaba tônica também cai no mesmo lugar. Por serem paroxítonos, a fortona se desloca para o o – se-ni-o-res, ju-ni-o-res.

Deixe seu comentário: