Últimas Notícias > Colunistas > Armando Burd > Um curativo aqui, outro ali

Ex-noivo de blogueira que cometeu suicídio fala pela primeira vez: “Eu já não tinha mais o que oferecer”

(Foto: Reprodução Instagram)
Por Gabriella Rocha*
“Era uma tortura para todo mundo”, relembra o empresário Orlando Costa, ao falar sobre o relacionamento com Alinne Araújo, que veio a público nas redes sociais e televisivas, após a ex-companheira cometer suicídio na última segunda-feira (15). Orlando e Alinne moraram juntos por 9 meses, depois de dois anos juntos, e estavam com o casamento marcado para o dia 14 de julho, quando, um dia antes, ele a comunicou por WhatsApp que teria desistido da união.
A blogueira, conhecida nas redes sociais por compartilhar a trajetória da sua luta contra a depressão e a ansiedade, tirou a própria vida no dia da seguinte da cerimônia, em que ela foi sozinha e casou consigo mesma. Neste domingo (21), Orlando conversou com a equipe do Domingo Espetacular, da Record TV, e pode contar, pela primeira vez, a sua versão desta trágica história, que comoveu todo o Brasil.
Ele declarou ter relutado para terminar com ela, mas não teve escolha: “Eu não queria de forma alguma terminar com ela. Mas eu já tinha terminado comigo. Eu já não tinha mais vida, eu era um cuidador dela. Só que chegou uma hora que eu não tinha mais como vencer”.
Alinne sofria de depressão desde os 14 anos, e, segundo Sayonara Araújo, tia da jovem, desde a adolescência ela “apresentava a vontade de não mais viver”.Orlando ficou frente a frente às oscilações de humor e recaídas da namorada quando os dois passaram a morar juntos, e, como conta, acreditou que conseguiria ajudá-la a superar a doença: “Quando você entra em um relacionamento com uma pessoa que tem depressão, você não sabe o que esperar. Você acha que é uma pessoa triste, mas que você que vai dar todo o seu amor, vai oferecer cuidados médicos e o resultado disso é a cura da pessoa. Mas não é”, relatou o empresário.
Ele também contou que, seguidamente, precisava mudar o esconderijo dos remédios de Alinne, para evitar que ela tomasse doses elevadas. Devido à rotina, ele disse que começou a temer a vida em família com a jovem: “Eu ficava todos os dias pensando: como é que a gente vai ter uma família? Como que vou ter um filho, e o filho (ter que ficar) tirando a mãe da janela, escondendo faca?”. Orlando lembra que a namorada também sofria com a situação: “A culpa não é nem um pouquinho dela. A culpa é dessa doença maldita (depressão)”.
Para Alinne, o casamento com ela mesma seria uma oportunidade de recomeçar a própria vida, como descreveu aos seguidores, no Instagram:

https://www.instagram.com/p/Bz5lP2HJBrK/

Depois da morte de Alinne, a mãe, Elizabete Araújo, teria conversado com o ex da filha e tirado a culpa dele, afirmando que essa já era uma tragédia anunciada. Ele também afirmou que “Só quem julgou foram pessoas que não me conheciam. Eu ofereci médico, psicólogo, ofereci coisas que eu julgava serem boas, que ela gostava, que dizia que era sonho dela. Dei todo meu amor, todo meu carinho. Saía de casa e dizia: ‘qualquer coisa, liga pro mozão’. Tentei de tudo. Mas não consegui”. 
Orlando tem sido alvo de ódio nas redes sociais por ter sido o “gatilho” para a decisão da jovem, e, desde então, optou por excluir suas contas pessoais das redes. Casos como o de Alinne, conforme especialistas, precisam de tratamento e acompanhamento médico contínuo. O apoio de amigos e familiares, nestes casos, é fundamental. 

*Estagiária sob supervisão de Marjana Vargas

Deixe seu comentário: